Pandemia na Idade Média mudou trabalho para sempre e serve de lição para mundo atual

Falta de mão de obra e inflação também foram problemas na época, e resultaram em revoltas e violência

THE NEW YORK TIMES

No rastro de uma pandemia devastadora, milhões de pessoas estão mortas e muitas mais tiveram suas vidas reviradas. Muitos dos sobreviventes, desgastados por uma sensação de inutilidade em seu trabalho e pela diferença intransponível entre os ricos e todos os demais, se recusam a retornar aos antigos empregos ou pedem demissão em massa. Cansados de excesso de trabalho e baixa remuneração, eles sentem que merecem uma vida melhor.

Essa poderia ser uma história sobre os dias atuais, mas é também o padrão que surgiu em toda a Europa depois da mais mortal pandemia registrada na história, a peste bubônica.

As lutas por salários e pelo valor do trabalho que definiram os anos após a peste foram, de certa forma, tão intensas quanto a própria pandemia. Afinal, a Europa explodiu em violência. Vendo onde estamos agora, vale a pena prestar atenção na série de acontecimentos que levou, passo a passo, da pandemia ao pânico e à revolta sangrenta.

É uma ilustração do trabalho camponês com uma cena de feno. Enquanto em primeiro plano uma mulher ajunta o feno e outra o empilha com a ajuda de uma forquilha, três cortadores formam leiras ao fundo, à direita. Outras figuras diminutas estão representadas num barco no rio, na escadaria que conduz à popa e na escadaria coberta no interior do palácio. A cena se passa às margens do Sena, em um campo localizado no local do Hôtel de Nesle, residência parisiense do Duque de Berry. Do outro lado do rio, estende-se todo o comprimento do Palais de la Cité, seguindo-se os jardins do rei, a Salle sur l'eau, as três torres Bonbec, Argent e César, depois o Tour de l 'Relogio. Atrás da galeria Saint-Louis no centro, as duas empenas do Grande Salão, a Logis do Rei e a torre Montgomery. À direita, a Sainte-Chapelle
Pintura ilustrando o trabalho dos camponeses na Europa na Idade Média – Irmãos Limbourg

A peste varreu como fogo o continente eurasiano de 1347 a 1351. O historiador árabe Ibn Khaldun lembrou horrorizado: “A civilização, tanto no Oriente como no Ocidente, foi visitada por uma praga destrutiva que devastou nações e fez populações desaparecerem. Ela engoliu muitas das coisas boas da civilização e as eliminou”.

A Europa, fortemente atingida, perdeu algo entre um terço e metade de sua população (embora os historiadores ainda discutam o número). “Muitas terras e cidades ficaram desoladas”, escreveu o historiador italiano Giovanni Villani em 1348. “E essa praga durou até ____.” Ele nunca preencheu a data final, pois morreu de peste antes que pudesse.

Quando pensamos na peste negra, tendemos a pensar nas cenas horríveis relatadas nas cidades: os cadáveres amontoados, as valas onde os corpos foram jogados sem cerimônias. O que os contemporâneos também acharam estranho, no entanto, foi o que eles viram no campo —não cenas de destruição, mas imagens de abundância e fartura. Campos de grãos maduros inertes sob o sol. Vinhas pesadas de uvas. Essas visões eram inquietantes porque sugeriam que não havia mais ninguém vivo para fazer as colheitas.

“Muitas propriedades finas e nobres / Estão ociosas sem pessoas para trabalhar nelas”, escreveu o poeta e compositor Guillaume de Machaut, que resistiu à peste trancado em sua torre. Seu poema continua:

“O gado jaz pelos campos completamente abandonado / Pastando no milho e entre as uvas / Em qualquer lugar que quisesse / E não tinham dono, nenhum vaqueiro / Nenhum homem para conduzi-los.”

Após o colapso demográfico, houve uma grave escassez de mão de obra. E assim, após o choque inicial, como preveriam os economistas modernos, o preço da mão de obra disparou. Machaut escreveu:

“Nenhum homem teve seus campos arados / Seus grãos semeados, ou suas vinhas cuidadas / Mesmo que pagasse o triplo dos salários / Não, certamente, nem mesmo por 20 vezes a taxa / Porque tantos haviam morrido.”

Trabalhadores de todo tipo —rurais, artesãos nas cidades, até mesmo párocos pobres que tiveram que atender os moribundos— olharam para suas vidas depois que a pandemia diminuiu e recalcularam seu valor. E viram um sistema impossível, que era inclinado contra eles.

Pintura ilustrando o lavrar do campo (cores e tinta sobre pergaminho) – Irmãos Limbourg

Na Inglaterra, por exemplo, cerca da metade da população estava legalmente amarrada à terra em servidão, forçada a trabalhar para o proprietário local. Mas, de repente, esses trabalhadores pareciam ter algum poder de barganha. Não eram mais obrigados a tolerar exigências irracionais. Seus empregadores não podiam mais tomá-los como algo garantido.

Por um lado, eles precisavam de salários mais altos para suportar a inflação descontrolada que se seguiu à peste: na Inglaterra, apesar da queda do preço de algumas matérias-primas básicas como grãos, os preços gerais dos bens de consumo aumentaram cerca de 27% de 1348 a 1350. Os trabalhadores reclamaram que não podiam pagar pelas necessidades básicas —e se não recebessem o que pediam largavam o arado, fugiam das aldeias de seus senhorios e iam buscar um acordo melhor.

Não sofremos um golpe demográfico tão brutal durante a Covid, mas ainda assim os trabalhadores americanos recalcularam o significado do trabalho e seu valor —e números recordes de trabalhadores deixaram seus empregos na Grande Demissão dos últimos meses. Cerca de 3% da força de trabalho total dos Estados Unidos se demitiu somente em novembro, informou o Departamento do Trabalho. De acordo com uma pesquisa de setembro, 46% dos empregados em tempo integral estavam considerando ou procurando ativamente um novo emprego.

Empregos com baixo salário tornaram-se especialmente difíceis de preencher, enquanto as redes sociais estão cheias de discussões irritadas sobre a necessidade de ter dois ou até três empregos para pagar um aluguel médio numa cidade média.

​Nos últimos meses, houve várias greves de destaque, com trabalhadores exigindo compensação justa e notáveis sucessos sindicais nas empresas Kellogg’s e Deere. Nesse sentido, estamos vendo ecos da situação após a peste negra, à medida que os trabalhadores se recusam a retornar às condições pré-pandêmicas e reavaliam suas necessidades e seu valor. Muita coisa mudou nos últimos dois anos. O mundo está diferente.

À medida que avançamos para uma nova era pós-pandêmica, as tensões no mercado de trabalho do século 14 podem nos ensinar algo sobre a turbulência que está por vir.

Nos anos que se seguiram à peste, em toda a Europa, senhores de terras e nobres assistiram, primeiro com indignação, depois com fúria, enquanto as pessoas abandonavam seus empregos e partiam em busca de uma vida melhor. O que se seguiu foi uma onda histérica de leis que tentavam devolver a economia para onde estava antes da peste. Estatutos e decretos congelaram os salários nos níveis anteriores à praga; tornaram ilegal abandonar a terra de um senhor, ilegal fugir; com efeito, tornaram o próprio desemprego ilegal.

Publicado em Folha de São Paulo

Compartilhe:

Leia mais
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se