WhatsApp-Image-2021-07-22-at-16.09.04

Desenvolvimento econômico brasileiro é tema do 1º dia de Seminários CSB

A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) deu início na última sexta-feira (23) a uma série de seminários preparatórios de formação para o seu III Congresso . Os seminários terão como foco as discussões sobre o emprego, sindicatos e o desenvolvimento econômico.

Na última sexta-feira o debate girou entorno dos caminhos para o Desenvolvimento Econômico do Brasil e contou com 6 mesas ocupadas por economistas, políticos, dirigentes sindicais e figuras acadêmicas de peso de todo o Brasil.

Com abertura do ex-ministro, Ciro Gomes, debatendo a necessidade de um projeto nacional de desenvolvimento para reconstruir o Brasil ao lado do presidente da CSB, Antonio Neto, foram mais de 6 horas de seminários nesse que foi o primeiro de 4 dias de eventos previstos para os meses de julho e agosto.

“Temos discutido com o Ciro e visto a importância do que ele fala dentro do seu projeto nacional de desenvolvimento sobre unir que produz com quem trabalha, para que possamos retomar nossa história, nossa industrialização e os rumos de um Brasil soberano.” destacou Neto em sua fala inicial.

Os próximos encontros ocorrem nos dias 6, 13 e 20 de agosto seguindo o mesmo formato e você pode realizar sua inscrição aqui mesmo.

‘Os caminhos para geração de emprego’

No primeiro painel do dia, ‘Os caminhos para geração de emprego’, o economista da FGV, Nelson Marconi, alertou para o alto desemprego que tem batido recordes sucessivos no país. Ao lado ex-diretor do Dieese, Clemente Ganz e do economista da UFBA, Uallace Moreira, os economistas apontaram diversos exemplos do tamanho do problema que o Brasil criou no seu mercado de trabalho ao sucatear o setor industrial e retirar todas as garantias legais que antes protegiam a classse trabalhadora.
J
“A gente tem um desemprego elevadíssimo. Não só isso: a gente tem uma precarização forte no mercado trabalho, o crescimento de vagas informais muito grande, um crescimento de ocupações de menores. Temos um desemprego amplo, 30% da força de trabalho. É muita coisa” – Nelson Marconi’

‘A revogação da destruição neoliberal’

Já no segundo painel, ‘A revogação da destruição neoliberal’ , o engenheiro e criador do movimento “Somos 70%” Eduardo Moreira se juntou à coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida Pública, Maria Lúcia Fattorelli e ao coordenador do Dieese, José Silvestre, para debater a superação tão aguardada dos dogmas neoliberais que vêem ditando os rumos da economia brasileira e mundial nas últimas décadas e produziram uma legião de empregados precarizados, o desmonte de estruturas industriais e na visão de muitos abriu caminho para o surgimento de diversos movimentos políticos de ultra-direita no mundo.

Eduardo Moreira também apontou as falhas no ‘discurso neoliberal’ e elencou dois problemas principais vistos no neoliberalismo.

“A primeira é o conceito de ‘utilidade’. A gente está falando de utilidade como necessidade ou como desejo? A gente tem um mundo que maximiza utilidade como desejo. Um litro de água custa mil vezes menos que uma grama de cocaína, que é muito menos útil ao ser humano do que a água. Mas a gente tem todo um sistema que é moldado para empurrar o desejo, pois o desejo não pode ser saciado. As pessoas sempre vão querer mais daquilo e por isso, você sempre vai ter mais espaço para o lucro.”  apontou o economista.

 ‘O Plano Biden e as lições para o Brasil’

Em linha com o debate sobre os efeitos da políticia neoliberal no Brasil, a mesa seguinte lançou um olhar sobre o futuro da economia mundial e como elas anunciam novos ares para o Brasil. Apesar de tanta dor e desemprego trazidos pela pandemia, ela parece também ter aberto os olhos de governos em todo o mundo para a necessidade de um estado e classe trabalhadoras fortes para que nações possam se reerguer desse cenário. Com as economias mundiais colocadas de joelhos pela pandemia chegou a vez de países darem um basta no conto neoliberal e avançarem para políticas econômicas que priorizem o desenvolvimento econômico sustentável e digno, com mão de obra bem remunerada, sindicalizada e no centro das prioridades antes ocupada pela “ganância do lucro” de alguns poucos. Talvez o maior sinal dado às lideranças mundiais tenha partido de onde menos se esperava, o novo governo norte-americano de Joe Biden.

Para debater os planos anunciados pelo presidente dos EUA e como eles podem servir de exemplo para o Brasil, a CSB reuniu o economista da UERJ especialista em China, Elias Jabbour, com o professor da UNB, José Luis Oreiro e o cientista político, Pedro Costa Jr, em um debate de alto nível sobre as novas articulações que surgem no planeta, em especial com o embate entre China e EUA pela liderança mundial no setor econômico.

“O que fica (das políticas de Biden) para o Brasil é a recomposição do setor produtivo, que é o grande desafio pós-pandemia ou pós-Bolsonaro. Existe o desafio da reconstrução do capitalismo brasileiro” destacou o economista Elias Jabbour.

‘O caminho para o desenvolvimento sustentável’

No quarto seminário do dia o ex-diretor do BID e do Banco Mundial, Rogerio Studart, se juntou ao ex-vereador Gilberto Natalini e a mestre em Adm. Pública pela FGV, Barbara Panseri, para debaterem ‘O caminho para o desenvolvimento sustentável’ em um Brasil assolado por um governo que, sob ordens governamentais, vem “passando a boiada” no que é nossa maior riqueza natural.

Verdade que  relação do Brasil com o meio ambiente esteve, desde o descobrimento, ancorada na lógica de exploração dos recursos naturais. Hoje, vivemos um momento de mudança da relação das empresas e do capital privado com a natureza. Uma nova ótica de impacto ambiental emerge e caminha para a estratégia central do negócio e há um movimento mundial, liderado sobretudo pela China e União Europeia, de transição consistente para uma economia verde pautada por compromissos ousados em direção à descarbonização.  Nesse cenário, o potencial brasileiro de ser um dos protagonistas dessa mobilização permanece, em grande parte, inexplorado.

Exatamente com esse ponto Studart destacou que a missão não é fácil mas o “trem da história se chama sustentabilidade”. Na visão dele “nunca foi tão fácil se conseguir apoio junto às nações do mundo” para se iniciar uma agenda de desenvolvimento econômico atrelada à preservação de nossos biomas, o que poderia ser o grande passaporte do Brasil para um futuro onde seja uma da lideranças mundiais em tecnologia e energia sustentável.

‘Brasil Soberano: O papel das empresas públicas no desenvolvimento nacional’

O painel 5 teve a presença do presidente da CSB Antonio Neto, Roberto Requião, Lea Vidigal, Alessandro Octaviani e Rodrigo Salgado para debater o tema “o papel das empresas públicas no desenvolvimento nacional”.

Lea Vidigal destacou que a soberania popular e a melhora da vida da população são questões cruciais para se pensar o desenvolvimento nacional. “O Estado, por meio de suas estatais, atua de forma intensa e estratégica, com altos volumes de recursos para prestar serviços, produzir bens e desenvolver tecnologias estratégicas para o futuro. As estatais são fundamentais para a criação de mercados nos países subdesenvolvidos, para que possam competir no mercado internacional. 60% das maiores empresas do mundo são estatais e pertencem à China, EUA e Japão”.

Perdeu esse primeiro dia de seminários? Acompanhe aqui mesmo a íntegra dos debatese aproveite para se inscrever para o próximo seminário que acontece no dia 6 de agosto CLICANDO AQUI

 

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO