Nota das centrais: “Viva o 1º de maio de lutas e conquistas”

Viva o 1º de Maio de lutas e conquistas

As Centrais Sindicais e suas entidades de base – sindicatos, federações e confederações – realizaram o Ato de 1º de Maio em São Paulo, nas capitais e em centenas de outros municípios, reunindo centenas de milhares de trabalhadores e militantes. No ato de São Paulo, milhares de militantes se reuniram para ouvir suas lideranças e, com elas, interagir. Nossas mensagens apontaram as conquistas recentes e indicaram nossos desafios e as prioridades futuras.

Na política nacional, destacamos a retomada da valorização do salário mínimo, que beneficia milhões de trabalhadores assalariados e autônomos, aposentados e beneficiários de políticas de transferência de renda; a política de igualdade salarial entre homens e mulheres; a política para o trabalho de cuidados está em fase final de elaboração; as mesas nacionais de negociação que produziram um acordo, transformado em projeto de lei, para garantir direitos trabalhistas, previdenciários e sindicais para os trabalhadores em plataforma de transporte de pessoas; a isenção do imposto de renda para quem ganha até dois salários mínimos; a nova política industrial, orientada com diretrizes de sustentabilidade socioambiental e metas de geração de empregos de qualidade, entre tantas outras conquistas recentes.

A luta sindical no chão das empresas acontece todos os dias. Neste 1º de Maio, comemoramos a contínua atuação sindical na organização das campanhas que celebram, a cada ano, mais de 50 mil acordos e convenções coletivas em todos os setores espalhados pelo país. Os dados do DIEESE indicam que quase 90% dos reajustes salariais conquistados nas negociações coletivas foram acima da inflação, portanto, com aumento real.

A militância reunida participou do ato político, que também contou com muita cultura, música e poesia, como é tradição e marca do movimento sindical nos 1º de Maio. O ato contou com a participação de lideranças do movimento popular e de dirigentes sindicais de diversas categorias e setores que puderam fazer o balanço das lutas, das conquistas e indicar os desafios que teremos pela frente.

As presenças do presidente Lula, do ministro Márcio Macedo, da Secretaria-Geral da Presidência, responsável pela relação com os movimentos sociais e que sempre recebeu e deu encaminhamento à agenda das Centrais Sindicais, assim como de outros ministros e parlamentares, se deram exclusivamente como convidados, não cabendo nenhum papel organizativo ou de mobilização nesse evento. Destacamos que os anúncios feitos pelo ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, e pelo presidente Lula vieram ao encontro da Pauta da Classe Trabalhadora, atendendo nossas reivindicações ou indicando os próximos passos a serem seguidos.

Este 1º de Maio também foi um momento para energizar a militância para a próxima jornada de lutas que é cada vez mais desafiadora. Apesar de todas as adversidades que as Centrais e entidades sindicais dos trabalhadores enfrentam, atacadas desde 2016, com a extinção e severa restrição ao seu financiamento, a campanha contínua contra os sindicatos, a retirada do poder de negociação e a supressão de dezenas de direitos trabalhistas, continuamos firmes na luta, aqui no Brasil e pelo mundo afora. Nada nos detém nem deterá. As adversidades sempre foram e serão enfrentadas com a determinação de superá-las.

Nunca houve vida fácil para a classe trabalhadora. O sindicalismo está na origem das democracias modernas, das liberdades políticas, no direito ao voto universal, na distribuição dos ganhos econômicos advindos do trabalho de todos. Tudo o que temos hoje em termos de direitos trabalhistas, sociais, previdenciários, sindicais e políticos veio das lutas nas quais muitos deram suas vidas. O que hoje parece natural tem uma história de solidariedade e de luta da classe trabalhadora.

Renovamos nossa prioridade de investir na valorização e no fortalecimento da negociação coletiva, na capacidade autônoma da organização sindical de se atualizar frente ao mundo do trabalho do futuro e de termos regras transparentes para o financiamento sindical conforme definido pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Para aqueles que, persistentemente, atuam para enfraquecer ou destruir o movimento sindical, debilitar nossa capacidade de luta e de representação e dinamitar a solidariedade da classe trabalhadora, queremos deixar claro que a celebração do 1º de Maio aumenta nossa resiliência e nos fortalece para enfrentar e superar todos os ataques e seguir lutando e trazendo novas conquistas para a classe trabalhadora.

Manifestamos, diante da tragédia climática no estado do Rio Grande do Sul, nossa solidariedade a toda população atingida e conclamamos todas as entidades sindicais a se juntarem na campanha de solidariedade mobilizada pelas Centrais Sindicais.

Viva o 1º de Maio! Viva nossa unidade! Viva a energia e a capacidade de luta da nossa militância.

São Paulo, 3 de maio de 2024.

Antonio Neto, presidente da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros)

Sérgio Nobre, presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores)

Miguel Torres, presidente da Força Sindical

Ricardo Patah, presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores)

Adilson Araújo, presidente da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil)

Moacyr Tesch Auersvald, presidente da NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores)

Nilza Pereira, secretária-geral da Intersindical

José Gozze, presidente da Pública

Foto: Ricardo Stucker/PR

Veja também: Lula sanciona isenção de IR até dois salários mínimos no ato de 1º de maio das centrais

Compartilhe:

Leia mais
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande