Mototaxistas

Vereadores aprovam requerimento para legalizar mototáxi em Maceió

SIMMEAL esteve à frente da luta pelo reconhecimento da categoria  

O serviço de mototáxi na região do Benedito Bentes pode ser regulamentado. Nesta terça-feira (24), os vereadores de Maceió aprovaram, por unanimidade, requerimento que pede ao prefeito Rui Palmeira que regularize a atividade. Os mototaxistas lotaram a galeria da Câmara Municipal de Maceió (CMM) para acompanhar a votação.

 Para tanto, o requerimento solicita a realização de uma sessão pública para discutir o tema que envolve a rotina de trabalho de mais de cinco mil profissionais, que atualmente trabalham na clandestinidade.

Autor do requerimento, o vereador Galba Netto citou o trabalho dos mototaxistas no complexo do Benedito Bentes como um exemplo, pois eles são a principal forma de deslocamento e interligação entre os moradores da região.

 “Quem não usa o serviço é obrigado a caminhar diariamente por quilômetros até um ponto de ônibus, onde fica muito tempo esperando. Maceió tem um trânsito caótico e que precisa de soluções urgentes”, disse. Ele explicou que o requerimento pede ao prefeito que envie uma mensagem regulamentando o funcionamento do serviço.

Celeridade

O vereador Marcelo Gouveia (PRB) usou a tribuna para defender a regulamentação da atividade de mototaxista. Em seu discurso, o parlamentar cobrou celeridade do poder público no processo para que esses trabalhadores possam atuar na legalidade.

 Segundo o vereador, a legalização da atividade vai evitar que muitos mototaxistas que trabalham honestamente sejam aliciados com propostas de propina. De acordo com ele, a prática está crescendo nos bairros da alta de Maceió, e os donos de motos vivem sob a ameaça de terem suas motos apreendidas.

O vereador Guilherme Soares (PSOL) destacou que já é usuário dos serviços dos mototaxistas há muito tempo e relembrou que quando trabalhou no Hospital Universitário sempre utilizava a velocidade e a praticidade para receber e fazer entregas.

 Já o vereador Wilson Júnior (PDT) prometeu ser um parceiro da categoria durante toda a “batalha” que será a regulamentação do serviço em Maceió, assim como acontece em outras capitais do país. Ele lamentou que algumas pessoas “trabalhem” contra a profissão e disse que a sociedade precisa ganhar tempo para ir ao trabalho e a moto é uma excelente alternativa.

Trabalho

Integrantes da categoria no Benedito Bentes foram autorizados a falar em plenário e cobraram a regulamentação do serviço. O presidente do Sindicato dos Mototaxistas, Ed Sampaio, explicou que há muito tempo o grupo busca o direito de trabalhar em paz, sem ser vítima dos excessos de fiscalização. Para ele, o prefeito Rui Palmeira precisa conhecer a realidade destes profissionais para passar a defender o serviço.

Fonte: TNH1

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra