Sistema do Ministério do Trabalho evita fraudes no seguro-desemprego

Mais de 40 mil pedidos de seguro-desemprego têm suspeita de fraude. Ministério do Trabalho acha quadrilha que forjava demissões para desviar dinheiro dos trabalhadores. Sistema que pegou golpe vai reduzir burocracia.

Hoje é uma burocracia. O trabalhador tem que providenciar uma série de documentos para dar entrada no pedido de seguro-desemprego. A partir do ano que vem, as informações do trabalhador que perdeu o emprego serão encaminhadas automaticamente por quem demitiu para o Ministério do Trabalho – que já vai mandar uma mensagem ao desempregado, informando quando ele vai receber o benefício.

O ano de 2016 terminou com uma notícia ruim para a Júlia. Depois de um ano e meio, ela foi demitida. Trabalhava como empregada doméstica. Mas ela já percebeu que está difícil e por isso decidiu que vai tentar se sustentar a partir de agora como manicure.

“Estava meio insegura. No fim do ano, muita correria. Eu entreguei quase 30 currículos e nada”, contou Júlia Lima.

Nos próximos meses, a Júlia vai se manter com a ajuda do seguro-desemprego.

No ano passado, 7 milhões de trabalhadores que foram demitidos receberam o benefício por até 5 meses.

Mas alguns dos que pediram o seguro, tiveram o pagamento bloqueado por causa de fraudes. E não foram poucos. O Ministério do Trabalho começou a usar um sistema que cruza informações de vários órgãos: INSS, Receita, Caixa Econômica e do próprio ministério.

Encontrou 43 mil pedidos de seguro-desemprego suspeitos. Desses, 7,2 mil já foram bloqueados. Quase R$ 45 milhões deixaram de ser pagos este mês.

O ministério diz que encontrou situações como a de um único trabalhador que fez seis pedidos de benefícios. É como se ele tivesse trabalhado simultaneamente em seis empresas diferentes.

Em outro caso, 280 trabalhadores que pediram o seguro tinham sido dispensados pelo mesmo empregador. E o CNPJ indicava que era uma microempresa. Acontece que microempresas não costumam ter mais que uma dezena de funcionários. O que, de cara, levantou a suspeita.

O governo acredita que os fraudadores fazem parte de grupos organizados, quadrilhas, que serão investigadas pela Polícia Federal. O cruzamento de dados vai continuar e a expectativa é bloquear mais de R$ 1 bilhão este ano.

“Se nós não combatermos as quadrilhas organizadas – que têm o objetivo de fraudar o dinheiro do trabalhador, esses recursos saem da sua finalidade para financiar o crime”, afirmou o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Essa mesma tecnologia que ajuda a combater fraudes também deverá ser usada para facilitar a vida de quem não tem nada a ver com o crime e precisa ter acesso ao benefício mais rapidamente.

Hoje, para receber o seguro-desemprego, primeiro o trabalhador tem que agendar uma data para vir até a agência. Ele reúne vários documentos, como a carteira de trabalho, a rescisão de contrato, documentos de identidade e traz na agência. Se estiver tudo certo, daí a um mês ele começa a receber o benefício. Esse processo todo pode levar até uns dois meses.

O governo estima que até o início do ano que vem, quem for demitido não vai mais precisar pedir o benefício. A informação vai ser transmitida automaticamente, do antigo empregador para o ministério, que vai mandar uma mensagem para o beneficiário informando quando e quanto ele terá o direito de receber.

Lembra da Júlia, que perdeu o emprego em dezembro? Ela gostou da ideia. Porque diz que ficou para cima e para baixo atrás dos documentos que faltavam. “É uma correria. Eu peguei quatro ônibus”, contou Júlia Lima.

O ministro do Trabalho disse que o sistema vai buscar mecanismos para evitar novos métodos de fraude que venham ser desenvolvidos pelas quadrilhas.

Acompanhe a matéria do Bom dia Brasil que foi ao ar no dia 26 de janeiro de 2017.

Fonte: G1

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)