sindicato-dos-trabalhadores-rurais-de-cristalina-acordo-e-incra

Sindicato dos trabalhadores rurais de Cristalina: acordo fechado e reunião no INCRA

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Cristalina (GO) teve duas importantes atividades na defesa da categoria nesta segunda-feira (29). A primeira delas foi uma reunião com a superintendente regional do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) do Distrito Federal e Entorno, Cláudia Farinha.

No encontro realizado na sede da instituição, a presidente do sindicato, Erenilda de Assis, e o presidente da Coopafrutti (Cooperativa do Agronegocio, Fruticultura, Irrigacao e Tecnologia), Aécio Aires, apresentaram as demandas dos trabalhadores prejudicados pelas barragens instaladas em assentamentos do Incra na região.

Primeira mulher a presidir o Incra da região, Cláudia Farinha tomou posse no ano passado com o compromisso de ouvir os agricultores familiares organizados e lideranças de movimentos sociais.

“Precisamos retomar a pauta da reforma agrária e da regularização fundiária no DF e Entorno para fortalecer a agricultura familiar, que é a grande responsável pela produção de alimentos saudáveis no nosso país”, destacou Claudia.

Na mesa: Aécio Aires, Erenilda Assis e Cláudia Farinha.

Em seguida, os líderes dos trabalhadores rurais conduziram uma assembleia geral extraordinária com mais de 500 trabalhadores presentes para a homologação de um acordo coletivo com a empresa 2 Marcos, com reajuste salarial e melhorias no banco de horas.

“Temos uma base de mais de 12 mil assalariados, sem contar os milhares de trabalhadores da agricultura familiar. Então esse acordo é apenas o primeiro de muitos que estamos lutando para assinar este ano, além de melhores condições de produção e trabalho para nossos agricultores familiares”, contou Erenilda.

De acordo com Aires, a empresa é um bom exemplo de um caso em que foi possível negociar e chegar a acordo, porém há muitas a região que se recusam a manter um diálogo com os representantes dos trabalhadores.

“Aqueles que não querem trabalhar com a gente não vamos desistir, vamos recorrer a todas as instâncias cabíveis para garantir os direitos dos nossos trabalhadores, inclusive com dissídios coletivos ajuizados”, afirmou.

Leia também: Assembleia Legislativa de Goiás faz homenagem ao CRA-GO e aos profissionais de aministração

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra