sindicato-defensor-trabalhadores-oneide

“O sindicato será sempre o defensor dos trabalhadores”, declara Oneide de Paula

Para o presidente da Seccional Santa Catarina, a sociedade ainda não entendeu o quanto está perdendo com a reforma trabalhista

Primeiro estado a receber o congresso estadual da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Santa Catarina tenta resistir diante das dificuldades criadas por um governo que trabalha pela agenda do mercado e promove reformas que visam retirar direitos dos trabalhadores e sufocar o movimento sindical.

Prestes a completar um ano à frente da Seccional, Oneide de Paula, presidente da entidade no estado, acredita que a sociedade ainda não percebeu o quão ruim foi a reforma trabalhista e que os sindicatos serão sempre os defensores dos trabalhadores.

Confira a entrevista com o presidente Oneide de Paula, que também é vice-presidente da Executiva da Central.

1- Neste quase um ano após congresso estadual, qual avaliação você faz da Seccional?

Oneide de Paula – Foi um tempo de bastante luta e pouco resultado. A dificuldade está grande por conta dos sindicatos que perderam o imposto sindical. Com isso, ficou mais difícil de buscar novos filiados neste um ano. Porém, montamos uma sede em Florianópolis e isso poderá trazer um fôlego a mais na questão de buscar novos sindicatos.

2 – Como superar esta dificuldade de conquistar novos filiados?

O.P. – Somente com muito trabalho e ter estrutura e condições de oferecer algo para o trabalhador. Contratamos o mês passado um ex-diretor sindical para trabalhar conosco. A expectativa é que cause uma revolução com cursos em sindicatos. Creio que dará resultado. Ter uma sede também faz parte do plano de crescimento e vamos confeccionar camisas da CSB estadual para mostrar a cara da Central no estado.

3 – Quais foram as lutas da Seccional no estado de Santa Catarina?

O.P. – Fizemos greves gerais, manifestações em empresas e coisas assim. Destacamos em Chapecó, Itajaí e Florianópolis, na última semana, quando participamos de mobilização por conta da reforma previdenciária. Avançamos também na questão do trabalho-emprego em Chapecó. Estamos fazendo reuniões para que os dirigentes se envolvam mais nos conselhos de suas regiões. O pessoal está indicando seus nomes para poder fazer o papel lá dentro. Esse foi outro avanço. Mais um avanço aqui na Seccional foi a unicidade do pessoal para manter um deputado estadual na próxima eleição.

Eleita a 1ª Diretoria Estadual da CSB em Santa Catarina

4 – A Seccional fez algum trabalho para minimizar as perdas causadas pela reforma trabalhista?

O.P. – Aqui em Chapecó fizemos um curso, onde vieram dois professores que ajudaram a dar uma direção aos sindicatos, para não abrir mão de maneira alguma.

5 – O que esperar deste ano de 2018?

O.P. –  Ainda não pintou um candidato que vai resolver a situação do País. Está distante, mas o pessoal me parece com medo de colocar a cara para bater. Ai um governador que parece que vai despontar, e encontram um furo no caixa dois dele. A coisa está assim hoje. O movimento sindical precisa se preparar para ir à luta por que ela nem começou ainda. Talvez a gente consiga voltar do zero novamente e começar com mais força. A sociedade [em] geral ainda não percebeu o quanto estão perdendo com a reforma trabalhista. Precisamos mostrar o outro lado da situação, pois o patrão está deitando e rolando.

6 – Que recado você deixa para os trabalhadores?

O.P. – O sindicato será sempre sindicato e sempre será defensor deles. O patrão, ele pode trocar todos os dias, mas para o resto da vida será o sindicato que vai defender ele. Até o final da vida dele.

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO