DSC_0239-e1426103765661

Servidores públicos do Distrito Federal fazem paralisação de 24 horas

CSB tem trabalhado junto com o Sindpen-DF para que haja diálogo com o governo e as reivindicações sejam atendidas

Sindicatos de servidores públicos e trabalhadores de 18 categorias do Distrito Federal  começaram hoje, 11 de março, a paralisação geral que irá durar de 24 horas. Mais de 10 mil servidores públicos protestaram em frente ao Palácio do Buriti. Eles fecharam, por horas, as seis faixas do Eixo Monumental, no sentido da antiga Rodoferroviária.

DSC_0214

As categorias estão insatisfeitas com a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) movida pelo Ministério Público, que questiona reajustes salariais e de carreiras definidos em 2013. A ADI é contra os reajustes salariais de 33 categorias profissionais do governo do Distrito Federal.

De acordo Leandro Vieira, presidente do Sindicato dos Agentes de Atividades Penitenciárias do Distrito Federal (Sindpen-DF) e representante da CSB, na manifestação os servidores  aprovam o estado de greve. “Essa paralisação é um aviso: caso o MP não retire a ADI, o Distrito Federal terá uma greve geral dos servidores”, disse Vieira. “Estamos protestando contra essa iniciativa do Ministério Público, que julgamos ser completamente equivocada, e pedindo que o governador resolva a questão”, afirma o sindicalista.

O presidente do Sindpen-DF contabiliza que cerca de 250 mil servidores serão prejudicados com a suspensão dos reajustes.  “Hoje é um ato de repúdio e protesto contra a ação do Ministério Público. Isso tem deixado quase meio milhão de pessoas inseguras”, diz o dirigente, que contabiliza as famílias dos servidores das 33 categorias que foram contempladas com o reajuste.DSC_0225

Os trabalhadores atingidos pela ação são ligados às secretárias de Segurança Pública, Saúde, Cultura, Detran, Assistência Social e da Carreira Socioeducativa. Fiscais, auditores tributários e da Receita; administradores; agentes de vigilância ambiental e comunitários de saúde; servidores civis da administração direta e defensores públicos também sofrerão com a revisão dos reajustes salariais.

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO