14-e1435072286996

Seminário da Agricultura Familiar da CSB dá voz aos trabalhadores rurais

Palestras e debates evidenciaram a realidade da categoria e a atuação dos dirigentes para a melhoria da qualidade de vida do homem do campo

A CSB promoveu, nos dias 16 e 17 de junho, o Seminário da Agricultura Familiar. Realizado em Pesqueira (Pernambuco), o encontro reuniu dirigentes de mais de cem entidades de representação de trabalhadores Rurais da Bahia, Pernambuco, Paraíba, Alagoas e Sergipe.

Os dois dias foram pautados por palestras que abordaram a Previdência Social, as novas regras para solicitação de registros sindicais, políticas para a geração de emprego e renda, reforma agrária sustentável, meio ambiente, agroecologia e recursos hídricos, soberania alimentar e nutricional, segurança pública, educação, saúde, esporte, lazer e infraestrutura no campo.

Gedir Santos, presidente da Federação dos Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais de Minas Gerias (Fafer-MG), coordenou o evento e mediou os debates. O dirigente destaca que o Seminário deu voz ao trabalhador rural. “Realizamos um evento específico para uma categoria que anseia por representatividade, informações e assistência”, afirmou.

Previdência Social

2O caráter diferenciado do trabalhador do campo foi exposto durante os debates sobre a Previdência. A principal reivindicação da categoria é um sistema previdenciário justo, que abranja todas as necessidades dos agricultores familiares.

“Temos muitas peculiaridades nestes trabalhadores que precisam ser respeitadas por todos, principalmente pela Previdência, que é a garantia de um futuro para eles. Muito dos agricultores familiares têm dificuldade de comprovar que exercem atividade rural, pois a Previdência muitas vezes argumenta que eles são produtores, e não trabalhadores”, evidenciou Gedir Santos.

Reforma agrária

Na mesa que tratou da reforma agrária ficou evidente a necessidade de legitimação do processo de distribuição justa e eficaz de terras no Brasil. Os dirigentes expuseram a realidade do campo, onde milhões de hectares são compostos por terras improdutivas.

“Não queremos a reforma agrária com a doação de pequenos pedaços de terra, mas uma reforma agrária justa, com habitação digna, saúde, educação, segurança no campo e com produtividade”, disse Gedir Santos.

3

Políticas para geração de emprego e renda

O protagonismo do homem do campo foi um dos temas centrais dos debates. A desvalorização do trabalhador rural e, consequentemente, a falta de capacitação e qualificação profissional transformam a categoria em mera espectadora de sua própria realidade.

Com isso, para torná-los personagens centrais e agentes atuantes no campo, torna-se evidente a urgência na geração de políticas de geração de emprego e renda para os trabalhadores. Para o presidente da Fafer-MG, somente a capacitação e qualificação profissional podem tirar o trabalhador do campo do amadorismo.

“Nosso grande desafio é começar pela reforma agrária, passando o assentado da condição de agricultor familiar para empresário rural. Isso permitirá a ele gerar renda, emprego e desenvolver o campo, além de ajudar no desenvolvimento da nossa economia”, pontuou Santos.

Nas discussões, o cooperativismo foi proposto como um sistema que organiza os trabalhadores, ajuda com o escoamento da produção e contribui para o aumento da renda familiar.

O meio ambiente, a agroecologia e os recursos hídricos

4Promovidas por representantes do Instituto Pesquisa Agropecuária (IPA), as discussões acerca da sustentabilidade no campo e preservação ambiental propuseram uma ampla reflexão sobre a urgência de políticas que promovam a responsabilidade social com o meio ambiente.

Há o clamor mundial pela produtividade saudável da agroecologia e dos recursos hídricos, e o combate incessante à fome. Segundo Gedir Santos, se não houver um meio ambiente sustentável, não há produção. “Desde o pequeno até o grande produtor, é essencial que todos estejam atentos a isso. Precisamos preservar nossos mananciais, as nascentes, os nossos costumes, sem agredir o meio ambiente. Queremos chegar às bases com essa consciência”, destacou.

O dirigente apontou a necessidade da atuação imediatista do governo nesse sentido. “Deveríamos aplicar hoje a cultura da preservação do meio ambiente, do ecossistema e incentivar a produção de alimentos totalmente saudáveis e sustentáveis. Essa iniciativa o governo precisa sempre estimular”, completou.

Segurança pública, educação, esporte, lazer e infraestrutura no campo

Quando se fala em sustentabilidade no campo, a maior preocupação hoje é com o êxodo rural. A dura realidade das famílias do campo foi evidenciada no Seminário. Relatos de pais de família que pedem o auxílio do Estado para evitar que seus filhos enveredem pelo tráfico de drogas, na prostituição infantil e sejam submetidos a trabalho escravo aumentam gradualmente.

“Tudo isso é consequência de não termos educação, lazer nem segurança em nosso habitat natural. É importante que o rural não tenha de se deslocar para ter tudo isso. É preciso acabar com os atravessadores, por meio de cooperativas e acesso ao crédito”, ressaltou o presidente da Fafer-MG.

5

Ações

Gedir Santos explica que o Seminário da Agricultura Familiar deu as bases para que os trabalhadores ampliem sua capacidade de agir em sua própria defesa. Para o dirigente, o Seminário congregou as lideranças da categoria para debater a Importância da Agricultura Familiar no desenvolvimento do Brasil.

“Vamos debater muitas políticas públicas, que estão na pauta da CSB e que discutiremos exaustivamente. Vamos brigar por justiça social, manutenção das pessoas no campo, preservação e resgate da cultura e uma produtividade mais saudável e mais ampla”, concluiu.

Veja a galeria de fotos do Seminário da Agricultura Familiar da CSB

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra