Projeto de Lei dos agrotóxicos ameaça a saúde dos brasileiros

PL 6.299/2002 prevê regras menos rígidas para o uso de substâncias perigosas na agricultura

 

O Projeto de Lei (PL) 6.299/2002, em tramitação na Câmara dos Deputados, flexibiliza as regras praticadas no País para fiscalização e aplicação dos agrotóxicos. De autoria do atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, a matéria pretende modificar a produção, importação e rotulagem.

Relatado pelo deputado Luiz Nishimori (PR-PR), o projeto sofre críticas de órgãos sérios, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

Entre as mudanças no PL está a substituição do termo “agrotóxico” por “defensivo fitossanitário e produtos de controle ambiental”. Segundo matéria da revista Globo Rural, especialistas afirmam que a mudança pretende “aumentar a aceitação aos agrotóxicos, colocando um nome menos impactante”.

Hoje, a aprovação de um novo agrotóxico precisa ser analisada por três órgãos, o IBAMA, a ANVISA e o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. A matéria propõe que a decisão seja tomada pela Comissão Técnica Nacional de Fitossanitários (CTNFito), que ainda será criada. A Comissão teria alçada para regulamentar parte da lei dos agrotóxicos.

Atualmente, proíbe-se o registro de substâncias com características teratogênicas, carcinogênicas, mutagênicas, distúrbios hormonais e que podem trazer malefícios ao aparelho reprodutor. O projeto quer proibir apenas agrotóxicos com as especificidades citadas que sejam de risco inaceitável comprovado por estudos científicos.

Hoje, uma propaganda de agrotóxicos, independente do veículo de comunicação, deve apresentar de forma clara advertências sobre os riscos do produto. Se aprovado o texto, as propagandas não terão mais regras determinadas e serão divulgadas apenas em programas e publicações do agronegócio, e não na grande mídia, conforme determina a Lei 9294/1996, o que dificultaria o acesso de toda a sociedade aos reais perigos das substâncias utilizadas.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)