Por 11 reuniões, novo ministro recebeu R$ 189 mil em jetons, fora o salário

O novo ministro do Desenvolvimento Regional, o ex-deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), recebeu pelo menos R$ 189 mil em jetons por participar de 11 reuniões no Sesc (Serviço Social do Comércio). Trata-se de uma entidade do sistema “S” e da CNC (Confederação Nacional do Comércio) que recebeu R$ 3,4 bilhões em recursos públicos só nos primeiros oito meses de 2018.

Os valores fizeram dobrar o salário do ex-deputado, que era secretário de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia, subordinado a Paulo Guedes.

Marinho toma posse como ministro na tarde desta terça-feira (11). Como secretário, ele trabalhou em medidas de austeridade nos gastos públicos com servidores e de redução de direitos trabalhistas para jovens pela, como a reforma da Previdência e “Carteira Verde e amarela”, entre outras.

Rogério Marinho está entre os funcionários públicos que mais receberam jetons no governo de Jair Bolsonaro (sem partido), de acordo com dados obtidos pelo UOL. O portal da transparência mostra que ele recebeu pagamentos de honorários extras pelas reuniões no Sesc no Rio de Janeiro e em Brasília a partir de março do ano passado. Ele é membro do Conselho Fiscal, órgão interno para cuidar de temas como a “probidade administrativa e a transparência” da entidade.

A assessoria do futuro ministro disse à reportagem que a remuneração é justa, “pelos trabalhos desenvolvidos na qualidade de membro do conselho nos termos da legislação em vigor” (veja mais abaixo).

“O sistema S, serviço social autônomo de natureza privada criado por lei e devidamente regulamentado, pressupõe quadros para desenvolver suas atividades e exercer suas competências”
Nota da assessoria do futuro ministro Rogério Marinho

Marinho foi nomeado para o cargo em fevereiro do ano passado. Começou a receber R$ 21 mil em jetons em março, segundo o portal da Transparência, e os recebeu até, pelo menos, dezembro. Não houve pagamento em setembro. Até segunda-feira (10), o portal não estava atualizado com informações sobre os rendimentos de Marinho em janeiro e fevereiro. Portanto, ele recebeu R$ 189 mil nesse período. A assessoria do futuro ministro disse que ele ainda atua no Sesc.

A CNC explicou que o então secretário “participou de todas as reuniões ordinárias do Conselho Fiscal do Sesc, que são realizadas mensalmente, desde a sua nomeação”. A entidade vinculada à CNC, dirigida por José Roberto Tadros.

Os jetons fizeram, por exemplo, o rendimento de Marinho saltar de cerca de R$ 22 mil brutos para R$ 43 mil em outubro do ano passado, ou seja, praticamente o dobro.

O limite constitucional salarial no Brasil é de R$ 39 mil mensais, mas há exceções legais que permitem furar essa restrição, como os jetons. No governo Temer, o ministro do Planejamento Dyogo Oliveira abriu mão dos valores por causa da repercussão negativa de seus rendimentos. Desde 1996, o STF não julga uma ação que questiona a legalidade dos jetons como método para furar o teto constitucional. Mas, semana passada, os ministros definiram que a data desse julgamento será em 14 de fevereiro.

Marinho negou-se a dar entrevistas. Sua assessoria disse à reportagem que ele foi designado para o Conselho do Sesc em fevereiro do ano passado. Desde então participou de 11 reuniões. E lá está até hoje: “Marinho participa do colegiado como representante do governo”.

Considerando a remuneração de servidores públicos entre janeiro e outubro do ano passado, Marinho se destaca entre os que funcionários que mais receberam jetons em 2019. Nesse período específico, ele obteve R$ 147 mil, além do salário como secretário no Ministério da Economia.

Agora, com a posse como ministro, seu salário vai subir. Um ministro como Paulo Guedes, por exemplo, recebeu R$ 39 mil brutos em outubro de 2019. Marinho não explicou se continuará a ser conselheiro do Sesc e, portanto, aumentar seu novo salário de ministro com os R$ 21 mil mensais vindos do sistema “S”.

A indicação dele para o cargo foi feita pelo governo federal. A CNC e a assessoria do futuro ministro não informam por qual pessoa específica. “Por serem cargos de confiança, costumeiramente são ocupados por pessoas vinculadas a órgãos do Poder Executivo”, explicou a Confederação.

Segundo a CNC, os conselhos fiscais do Sesc e do Senac possuem sete membros cada um. O governo federal tem direito a indicar quatro vagas. As centrais sindicais, um. A própria CNC, dois.

“A probidade administrativa e a transparência do Sesc não se limitam às auditorias do Tribunal de Contas da União e da Controladoria Geral da União. Elas são asseguradas de forma regimental a partir da atuação continuada de seus órgãos de gestão e de fiscalização, como seu Conselho Fiscal”
Nota da Confederação Nacional do Comércio

Ministro já mencionou “faca” no sistema “S” e servidores “parasitas”

O ministro Paulo Guedes disse que iria “meter a faca” no sistema “S”, que reúne entidades empresariais da indústria, comércio, agricultura e transportes que recebem recursos públicos em troca de cursos de qualificação profissional. Os cursos não são gratuitos para todos os estudantes.

Tem que meter a faca no Sistema S. Vocês acham que a CUT [Central Única dos Trabalhadores] perde sindicatos, e aqui continua tudo igual, com almoço bom?
Paulo Guedes, ministro

Até agora, no entanto, não houve o enxugamento do órgão.

Na semana passada, Guedes chamou servidores públicos de “parasitas”, ao defender o fim dos reajustes salariais automáticos.

Fonte: UOL
Link: Por 11 reuniões, ministro recebeu R$ 189,00 de jetons, fora salário

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"