PEC 300 é mais um golpe contra os trabalhadores

Proposta de Emenda à Constituição muda a jornada diária de trabalho de 8 para 10 horas, além de reduzir o aviso-prévio de 90 para 30 dias e dificultar o acesso do empregado à Justiça do Trabalho

 

Depois das consequências nefastas impostas pela reforma trabalhista, os trabalhadores têm mais uma ameaça com a qual se preocupar. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 300 estabelece, entre outros, a mudança da jornada diária de trabalho para 10 horas, além da redução do aviso-prévio de 90 para 30 dias e do prazo para que o trabalhador entre na Justiça do Trabalho após término de seu contrato; dos atuais 2 anos para até 3 meses.

De autoria do deputado Mauro Lopes (MDB- MG), a PEC obteve parecer favorável do relator da proposta, deputado Luiz Fernando Faria (PP-MG), e está pronta para a votação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados.

Na esteira de projetos que impossibilitam o crescimento do País, como a PEC do Teto dos Gastos, que limita os investimentos em serviços essenciais à população, como saúde, educação e infraestrutura, estão os retrocessos já impostos pela Lei 13.467, da reforma trabalhista, – que criou relações precárias de trabalho e deixou os trabalhadores à mercê de baixos salários, da informalidade e sem a proteção da CLT.

Diante de um cenário de insegurança e incertezas, o ano de 2019 começa com a garantia do governo de que a reforma da Previdência (uma promessa já feita pelo ex-presidente Michel Temer) também será uma realidade para o povo brasileiro. Junta-se a ela também a PEC 300, mais uma rasteira nos trabalhadores e na população mais pobre.

De acordo com o presidente do Sindpd e da CSB, Antonio Neto, a essência dessas propostas tem o único objetivo de limar as garantias daqueles que mais precisam do Estado e mostram como o Executivo e parte do Legislativo agem para enganar a população.

“Temos como grande exemplo o projeto da reforma trabalhista. Começou com a alteração de 25 artigos, mas depois de enviado para Câmara foi alterado, modificando de maneira drástica centenas de itens, mais de 300 artigos da CLT. Ou seja, sabemos bem que o que vem pela frente é mais uma tentativa de acabar com a proteção do lado mais fraco da relação entre capital e trabalho. Os trabalhadores foram e sempre serão os mais prejudicados com a reforma da Previdência e essa esdrúxula PEC 300”, afirma Neto.

Para o presidente, a mobilização da sociedade é fundamental para calar a voz daqueles que querem mais uma vez atacar os direitos trabalhistas.

“A gente precisa estar atento, ligado a tudo o que está aí. Só o povo e os trabalhadores podem evitar mais um golpe na aposentadoria, na CLT e em tudo o que eles conquistaram em décadas e décadas de muita batalha, muito suor e muita lágrima”, completa Neto.

Fonte: Sindpd

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)