shutterstock_63056998-e1363871938147

“País continuará com trajetória ascendente de aumento real nos próximos anos”, afirma presidente de sindicato de TI

Estudo do Dieese mostra que quase 95% das categorias tiveram aumento real em 2012

O Dieese divulgou nesta quarta-feira (20/03) o balanço das negociações salariais de 2012. O estudo mostrou que na média de todas as categorias o índice de aumento real foi 1,96%. Para o presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e do Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd), Antonio Neto,  o resultado demonstra a valorização do trabalhador e já é um conceito consolidado.

“Estamos vindo de uma trajetória acentuada de reajustes acima da inflação desde 2008. Devemos isso a três principais fatores. O primeiro é o fortalecimento das entidades sindicais, que estão cada vez mais organizadas e maduras no processo de negociação. A recuperação do salário mínimo, que ganhou força nos últimos anos e ajudou a elevar os pisos salariais, também contribui para esse resultado. E, por último, o mercado de trabalho aquecido e a falta de mão de obra qualificada, principalmente na indústria e no setor de serviços. A consciência da necessidade do aumento real anualmente é algo já consolidado e o país continuará seguindo essa trajetória até que os salários alcancem padrões satisfatórios e justos”, afirma Antonio Neto.

Além disso, o presidente reitera que o nível educacional está crescendo no país e isso leva a uma maior valorização dos profissionais. “A participação dos trabalhadores com 11 anos ou mais de estudo aumentou, de 33,6% para 46,3%, entre 2004 e 2011. Essa qualificação precisa ser recompensada de acordo”.

A categoria de Tecnologia da Informação foi uma das 94,6% que obtiveram reajustes maiores do que a inflação medida pelo INPC/ IBGE em 2012. A negociação resultou em aumento real de 1,4%. Os pisos subiram até 9,1%. Foi instituída também a obrigatoriedade de negociação de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) para empresas com mais de 50 funcionários. Já o Vale Refeição (VR) foi firmado em R$10 para profissionais com jornada de oito horas em firmas com mais de 100 de empregados.

Com data-base em 1º de janeiro, os trabalhadores de TI já fecharam um novo acordo para 2013. Segundo o presidente do Sindpd, neste ano os reajustes devem ser menos expressivos, reflexo do crescimento econômico mais baixo de 2012.

“As negociações de 2012 refletiram a economia de 2011. O cenário neste ano é outro. Na negociação da categoria de TI, por exemplo, realizada em janeiro, já sentimos a resistência maior dos empresários. O baixo crescimento econômico foi a principal alegação da parte deles para um reajuste que não ultrapassasse a inflação. Ainda assim, saímos da mesa com aumento real nos salários, reajuste no VR, no auxílio-creche e de até 9,4% nos pisos”, ressalta o dirigente.

Fonte: Jornal Dia

Compartilhe:

Leia mais
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores
Sindpd=SP ganha premio no Sindimais
Projeto do Sindpd-SP vence prêmio de Inovação e Transformação Digital no SindiMais
protesto colete feminino vigilantes niteroi
Vigilantes de Niterói iniciam campanha por coletes apropiados para mulheres
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: novas tecnologias podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do PR na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT