jurosnovo

Mercado já vê Selic de 8,5% este ano

A aceleração do ciclo de alívio monetário pelo Comitê de Política Monetária (Copom) levou tesourarias e economistas a projetarem a taxa básica Selic ao redor de 8,5% em dezembro deste ano. Taxa que, se confirmada, será a mínima histórica – a atual marca é de 8,75%, atingida em julho de 2009. Quando se olha o juro real, entretanto, o recorde já foi alcançado: ontem estava em 3,23%. Nos nove meses em que a Selic permaneceu em seu piso de 8,75% em 2009, o juro real era bem maior, ao redor de 5,5%.

A medida mais usual de juro real considera os contratos de swap prefixados de 360 dias, que tinham taxa de 8,71% ontem, e a projeção do IPCA para 12 meses à frente, atualmente em 5,30%.

Pelas novas expectativas do mercado, o atual ciclo de afrouxamento monetário iniciado em agosto chegará a 4 pontos percentuais. Esse resultado é emblemático. Sugere que o BC vê o momento com tanta preocupação quanto na crise de 2008/2009, quando a Selic deslizou 5 pontos. Incentivaram o BC a acelerar o corte o enfraquecimento da economia internacional, a perspectiva de frágil expansão do PIB no primeiro trimestre e inflação mais branda no curto prazo.

No mercado, a previsão de uma queda mais forte da taxa Selic já aparece nos preços. Os contratos de juros futuros encerraram o pregão de ontem indicando a aposta em mais um corte de 0,75 ponto em abril e mais uma redução, de 0,50 ponto, em maio. Com isso, a taxa básica cairia a 8,50% ao ano.

A consequência desse movimento é o recrudescimento da inflação no ano que vem. Percepção que alimenta ainda mais a ideia de que o BC não está focado no centro da meta, de 4,5%. O BC pode estar buscando essa marca em prazo mais longo, mas desconhecido pelo mercado. Ou ainda privilegiando outras metas: crescimento econômico e desvalorização cambial.

“A comunicação oficial do BC, escrita e falada, já sinalizava juro menor. Estava claro que o Copom pisaria no acelerador. Mas havia dúvida sobre um corte maior agora ou um período mais prolongado de baixa. Começou a ficar evidente que o BC foca a inflação de curto prazo, que tem vindo mais baixa, o enfraquecimento da atividade econômica internacional e o desempenho frágil da economia brasileira”, afirma o economista Carlos Eduardo Gonçalves, professor da FEA/USP, que não considera a taxa de expansão do PIB de 2,7% em 2011 o fator determinante para a aceleração do corte do juro. “Dados do início de ano apontam para avanço do PIB de 0,5% no primeiro trimestre, e isso é pouco.”

O economista lembra que o próprio modelo estatístico do BC aponta para inflação perto de 5,5% em 2013. Ele considera que o BC pode até perseguir a meta central de 4,5%, mas em prazo mais longo. E entende que é impossível conciliar política monetária mais flexível com meta de inflação rigorosa.

Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados, considera que a aceleração do corte da Selic vai estimular mais a atividade e colocar o crescimento em 2013 mais forte, na casa dos 5%. “Espero que o governo não esteja preocupado com câmbio. Já basta se preocupar com o crescimento em primeiro lugar e a inflação em segundo”, pondera o economista, que alerta para a dificuldade de se prever os passos do BC que, diz ele, “escreve uma coisa no Relatório de Inflação, outra na ata e decide outra na reunião seguinte”. “Nesse clima de vale tudo, em que o que é escrito não parece valer muito, vou chutar que o BC pode manter a queda de 0,75 ponto sob algumas justificativas. Como ele cada vez mais ignora o longo prazo e olha apenas o que acontece no curto prazo, isso se justificaria porque inflação e atividade neste momento estão fracos.”

O ex-diretor do BC Alexandre Schwartsman acredita que, depois de acelerar o ritmo de corte, será difícil para o Copom interromper o ciclo de alívio monetário antes que a Selic caia para 8,75% ou 8,5%. A mudança de passo, acredita, perseguiu três novos objetivos do BC: alcançar uma taxa de juros de um dígito (meta já atingida); estimular o crescimento econômico e contribuir para a desvalorização do câmbio. “Ou seja, a meta de inflação perdeu lugar nesse cenário”, afirma. “Não restam dúvidas de que a inflação de 4,5% não é mais o objetivo do BC.” Para ele, a reação natural do mercado agora é a elevação das expectativas de inflação. “Essa situação lembra 2007, quando o BC acelerou o corte de juros e acabou provocando a disparada da inflação no ano seguinte”, diz.

Já o economista-chefe do J. Safra, Carlos Kawall, também vê a Selic caindo para perto de 8,5% este ano. Antes, sua previsão era de que os juros recuassem para 9,5%. Mas Kawall considera que o ambiente de desaceleração da atividade, confirmado nos dados da produção industrial divulgados esta semana, explica essa decisão. “Há elementos que explicavam o crescimento no governo Lula que não estão mais presentes agora”, afirma, citando a política fiscal menos expansionista e a perda de vigor do crédito, afetado pelas medidas macroprudenciais. “Essas medidas ainda pesam sobre a economia. Assim, estou num ponto menos otimista em relação à atividade.”

Entre os bancos que revisaram suas estimativas para o rumo da política monetária também estão o Bank of America Merrill Lynch e o Banco Prosper, que esperam novo corte de 0,75 e mais um de 0,50. Como lembra o economista da Prosper Correta, Eduardo Velho, a tradição na gestão da política monetária é que os movimentos mais acentuados da taxa sejam adotados no início do ciclo, e não nas proximidades do seu término.

Fonte: Valor Economico

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO