‘Jabuti’ favorece empresas e relator de MP

Cardoso Junior: relator é sócio minoritário de empresas controladas pelo pai, o ex-governador Newton Cardoso (MG), que são frequentes litigantes no Carf

Um “jabuti” na medida provisória (MP) do Programa de Regularização Tributária (PRT) para enfraquecer o voto de qualidade no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) poderá beneficiar empresas com multas bilionárias, advogados que têm perdido causas com o “voto duplo” dos auditores e o próprio relator da proposta, deputado Newton Cardoso Júnior (PMDB­MG), cujo pai tem mais de 30 processos no órgão e que renderam até investigação na operação Zelotes.

Além de mudanças para transformar o parcelamento das dívidas tributárias em um “Refis”, Cardoso incluiu emenda para extinguir multas quando for necessário o voto de qualidade no Carf, que julga recursos contra autuações da Receita e é composto paritariamente por advogados e auditores fiscais. Quando há empate, o presidente, que é do Fisco, desempata ­ e costuma manter a punição.

Pela emenda, quando ocorrer voto de qualidade, o devedor ficará livre de multa se decidir pagar, à vista ou parcelado, o valor cobrado pela Receita ­ e que pode ser inscrito num Refis nos moldes da MP. Assim, se livraria de uma punição maior, que pode chegar a três vezes o valor original. Estudo da FGV Direito SP do ano passado sobre a 1ª Seção do Carf, que reúne os processos de maior valor, mostra que o voto de qualidade ocorreu em menos de 5% dos 1.409 julgados. Mas quase todos estes 62 processos deram ganho de causa ao Fisco ­ só sete foram revertidos. Apesar de a quantidade de processos não ser tão expressiva, o valor é ­ e auditores dizem que os desempates têm crescido após a Zelotes, que renovou os conselheiros.

Casos como o da Gerdau, condenada a pagar R$ 4 bilhões, a fusão da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) com a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), com cobrança de R$ 1,1 bilhão, e da Petrobras, autuada em R$ 1,5 bilhão por lucros de uma subsidiária, foram decididos recentemente por voto de qualidade. Outras punidas no desempate são a mineradora Nacional Minérios (Namisa), cobrada em R$ 1,746 bilhão, e a distribuidora de bebidas Eagle, da Ambev. Cabe recurso ao Carf ou à Justiça.

O próprio relator da MP pode ria se beneficiar. As empresas da família, das quais é sócio minoritário e que são comandadas pelo pai, o ex-governador de Minas Gerais Newton Cardoso (PMDB), são frequentes litigantes no Carf. Levantamento do Valor mostra que há 34 processos em discussão, alguns de 2008 e que não foram julgados nem pelas turmas ­1ª instância da instituição.

Nenhum foi decidido por voto de qualidade, mas, dado o volume, isso poderá ocorrer. Em apenas dois casos houve julgamento pela Câmara Superior, mas as decisões foram unânimes ­ uma vez para condena­lo e a outra para acatar parcialmente um recurso.

Só um dos processos pode custar R$ 47,845 milhões ao empresário. O Fisco cobra quatro impostos da Rio Rancho Agropecuária e de seus responsáveis sobre operações de 2007 a 2009. Por unanimidade, a turma que julgou o caso entendeu que houve fraude e determinou multa de 150% e que o administrador da sociedade responderá solidariamente com seu patrimônio para pagar a dívida.

O pai do relator ainda é investigado há dois anos pelo Ministério Público Federal na operação Zelotes, que apura fraudes nos julgamentos do Carf. Dois ex­conselheiros denunciados por corrupção por outros casos, Nelson Mallmann e Pedro Anan Junior, votaram para arquivar autuação da Receita sobre o imposto de renda de Newton pai, acusado pela Receita de sonegar R$ 106,9 milhões. Mallmann liderou a posição divergente contra o Fisco e foi o relator do voto vencedor, entendendo que não cabia o pagamento. A Receita chegou a recorrer, mas também foi derrotada em segunda instância.

Não há denúncia formal contra o político e, apurou o Valor, o inquérito ainda está em fase inicial de investigação.

O relator não foi encontrado ontem para comentar. Na semana passada, ele defendeu a emenda dizendo que a mudança tornará mais justa a regra e que decisões judiciais já cancelaram julgamentos do Carf por voto de qualidade. “Considerei por bem que pudéssemos dar ao contribuinte que vai ao Carf o mesmo tratamento disposto no artigo 112 do CTN e no Código Penal: na dúvida, a decisão tem que ser favorável ao réu”, disse.

Já o coordenador da Procuradoria-­Geral da Fazenda Nacional (PGFN) no Carf, Moisés de Sousa Pereira, não concorda com a premissa de dúvida. “Empate não é dúvida”, afirma. Lembra que o Supremo Tribunal Federal (STF), em mandado de segurança, manteve o desempate e diz que o paralelo com o direito penal não se aplica, uma vez que direito tributário não tem penas restritivas de liberdade.

O procurador diz que a emenda não deixa claro em quais casos a multa seria excluída: se só quando o desempate é no mérito ou se também vale em outros aspectos do recurso. Para ele, a proposta não vale para casos julgados antes da aprovação do texto, que ainda terá que passar pelos plenários da Câmara e do Senado. “No processo, vale a lei vigente no momento em que o ato foi praticado. Aplicação retroativa é exceção e teria que estar prevista expressamente”, diz.

Mas para o advogado tributarista Tiago Conde, o texto se aplica sim a casos já julgados, mas limitado a quem aderir ao Refis. Há dúvida, afirma, sobre a possibilidade de MP alterar o decreto 70.235, de 1972, que trata do processo administrativo fiscal, se não for restrito ao contexto do Refis.

As modificações feitas pelo Congresso no plano de regularização tributária prejudicam a arrecadação prevista para 2017 e são combatidas pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Segundo ele, com o projeto original enviado pelo Executivo a previsão era de arrecadar até R$ 8 bilhões com o plano, mas as mudanças podem reduzir essa margem.

“Não há dúvida de que a regularização de recursos aprovada como está permite, na realidade, uma vantagem importante a quem se atrasou no pagamento dos impostos e prejudica a arrecadação prevista para 2017”, afirmou o ministro.

O ministro da Fazenda participou ontem de uma cerimônia com militares das Forças Armadas, no Rio, em comemoração ao Dia da Vitória e imposição da Medalha da Vitória. Meirelles indicou que vai ao parlamento pedir a revisão das alterações no projeto.

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

Leia mais
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande