FESERP/MG, CSB e SINSERPU-JF participam de reunião que discute o “Chamamento Público” da prefeitura de Juiz de Fora

O presidente da FESERP-MG e da seccional mineira da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros), Cosme Nogueira, e diretores do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Juiz de Fora (SINSERPU-JF) participaram, na tarde desta segunda-feira (5 de fevereiro) de uma reunião sobre o processo de Chamamento Público – uma medida da Prefeitura de Juiz de Fora que vem causando muita polêmica na cidade por modificar os trâmites da Política Social do município. As entidades são contra o Chamamento Público por acreditar que isso trará grandes prejuízos aos usuários e às tradicionais prestadoras desse tipo de assistência, entre elas a AMAC.

A Comissão – que se reuniu hoje e representa o Forum da Sociedade Civil, instituído em reunião na última quarta-feira (31 de janeiro) – acredita “que como a Assistência Social é dever do Estado e direito do cidadão, nesse caso do Chamamento Público em Juiz de Fora foi desconsiderado a participação de usuários e trabalhadores no processo de construção da medida, deixando nas mãos do Executivo as decisões cabíveis à destinação do orçamento público, num processo que não considera a transparência – fundamental a uma política pública – e a avaliação e definição das entidades da sociedade civil habilitada a prestação de serviços”.

Na reunião ficou definido que as advogadas Elisângela Márcia do Nascimento Vidal (assessora jurídica do SINSERPU-JF) e Denise Pacheco Saltarelli (assessora jurídica do Abrigo Santa Helena, uma das várias entidades envolvidas na questão), representando a Comissão, vão, a princípio, procurar o Ministério Público do Patrimônio Público para pedir uma intermediação, em caráter de urgência, de uma reunião entre o Executivo e a Comissão que representa o Forum da Sociedade Civil, visando formar um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) para anular o Chamamento Público.

Além disso, outra reunião, ampliada, foi marcada para a próxima quarta-feira (7 de fevereiro), às 18h, na sede do SINSERPU-JF (Rua São Sebastião, 780), com a presença de várias entidades civis organizadas que representam os movimentos sociais de Juiz de Fora, além da OAB, Câmara Municipal e conselheiros municipais, entre outros. Uma Audiência Pública na Câmara, proposta pelo vereador Roberto “Betão” Cupolillo, também foi agendada, para o dia 22 de fevereiro.

Para Cosme Nogueira, é preciso formar “uma grande corrente” em defesa das entidades sociais, como a AMAC, que tem décadas de bons serviços prestados, principalmente à classe mais humilde da sociedade. “Devemos ir para as ruas exigir a nulidade do chamamento público, mobilizar os trabalhadores e os assistidos da AMAC, realizar passeatas e atos públicos e apoiar totalmente o Sindicato nesse enfrentamento, que visa garantir os empregos e a manutenção da política de assistência social”, disse.

Além de Cosme Nogueira participaram da reunião representantes do GEDAE, Abrigo Santa Helena, Conselho Municipal de Assistência Social, da AMAC e, pelo SINSERPU-JF, o presidente Amarildo Romanazzi, os diretores Paulo Azarias e Saionara Apolinário, e a assessora jurídica Elisângela Márcia do Nascimento Vidal.

Fonte: FESERP/MG

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)