bolsonaro-e-guedes

Em plena pandemia, Câmara aprova texto-base da MP do Contrato Verde-Amarelo e retira direitos dos trabalhadores

Apesar de algumas importantes alterações conquistadas pelo movimento sindical, a medida provisória que visa precarizar as relações de trabalho foi aprovada em sessão remota

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (14) em sessão remota o texto-base da medida provisória (MP905/20) que cria a chamada Carteira Verde-Amarela

O texto-base foi aprovado por 322 votos a 153, com duas abstenções.

O programa foi criado pelo Governo Federal para precarizar as relações de trabalho a partir da falsa premissa de “menos diretos e mais empregos”.

Após votar o texto-base, os representantes do legislativo passaram à análise dos destaques, isto é, das propostas que visam modificar pontos do texto-base aprovado.

A MP 905/20 tem validade até o próximo dia 20 de abril e precisa ser aprovada pelo Senado Federal e sancionada pelo presidente para não perder a validade. Se o texto não for aprovado pelos senadores até o dia 20, perderá validade.

A proposta aprovada pelo legislativo federal é diferente do texto original do executivo que trazia ainda mais maldades. Por exemplo, O percentual de contribuição pela empresa para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), ficou em 8%, como já é praticado, e não em 2% como o governo havia proposto.

O Contrato Verde Amarelo vale para trabalhadores que recebem até um salário-mínimo e meio, ou seja, R$ 1.567,50 (em 2020).

Entre as alterações do texto original estão:

* elevou a contribuição patronal para o FGTS;
* retirou a permissão de trabalho aos domingos e feriados;
* aumentou a multa do FGTS em caso de indenização por demissão;
* retomou o recolhimento patronal para o Salário Educação.

Esses avanços só foram possíveis graças ao trabalho das Centrais Sindicais, da oposição e da sociedade civil organizada.

Em fevereiro, no Senado Federal, o Presidente da CSB, Antonio Neto, criticou o caráter da proposta, que aprofunda a precarização das relações trabalhistas e visa a retirada de direitos e a redução salarial dos trabalhadores.

“Ela já começa diferenciando seres, a lei diz, ‘Somos todos iguais perante a lei’. A MP vai na contramão ao dizer que quem estiver no regime da carteira verde-amarela não vai ter o mesmo direito de quem tiver a carteira azul”, apontou Antonio Neto, ao falar sobre as inconstitucionalidades da proposta.

Na ocasião, Neto cobrou dos senadores uma postura diferente da que foi tomada quando o Senado Federal chancelou a Reforma Trabalhista do Governo Michel Temer.

“Essa MP é inconstitucional e ataca os trabalhadores. É uma vergonha a Câmara aprovar uma coisa dessas no momento em que estamos vivendo, mas será ainda pior se o Senado chancelar essa maldade. Os senadores precisam rechaçar essa Medida Provisória.”, cobrou o Presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros.

Mais maldade!

O antigo partido de Jair Bolsonaro, o PSL, aprovou uma emenda ao texto que tornou ainda mais predatório o caráter da proposta:

* Permite a antecipação de verbas trabalhistas, de forma proporcional, mês a mês (por exemplo, férias, 13º, FGTS). O percentual mínimo para dividir essas verbas tem que ser de 20%;
* Reduz a multa do FGTS para 20% em caso demissão apenas sem justa causa, excluindo a multa para demissões com justa causa (o texto-base definia a multa do FGTS em 30%, em demissões sem e com justa causa).

Conheça o texto-base aprovado:

* O Contrato Verde-Amarelo vale para jovens no primeiro emprego e pessoas acima de 55 anos (que estejam fora do mercado de trabalho formal há mais de 12 meses)
* Os contratos se referem a vagas de até um salário-mínimo e meio (R$ 1.567,50, em 2020);
* A contratação total de trabalhadores nesta modalidade fica limitada a 25% do total de empregados da empresa;
* As empresas com até 10 empregados poderão contratar dois trabalhadores sob estas condições;
* A nova modalidade de contratação será realizada apenas para novos postos de trabalho, tendo como referência a média do total de empregados entre 1º de janeiro e 31º de outubro de 2019 ou a média nos três últimos meses anteriores a contratação – prevalecendo a que for menor;
* Empregadores não precisarão pagar a contribuição patronal ao INSS (de 20% sobre a folha); também não serão cobradas alíquotas para o Sistema S.
* O contrato poderá ser celebrado por até dois anos. Se este período for superado, passam a incidir as regras do contrato por prazo indeterminado previsto na CLT;
* Os contratados poderão fazer até duas horas extras, com remuneração da hora extra de, no mínimo, 50% superior à remuneração da hora normal;
* A contribuição ao FGTS está mantida em 8% (e não em 2%, como previa o texto original)

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra