Economia cresceria o dobro sem desigualdade de gênero, aponta Banco Mundial

O Banco Mundial divulgou um relatório nesta segunda (4) que aponta que acabar com as leis e práticas discriminatórias que impedem as mulheres de trabalhar ou abrir empresas poderia aumentar o Produto Interno Bruto (PIB) mundial em mais de 20%. Isso dobraria a taxa de crescimento global na próxima década.

O 10º relatório anual da instituição sobre Mulheres, Negócios e Direito mostrou que as mulheres têm, em média, apenas 64% das proteções legais que os homens têm, e não os 77% estimados anteriormente, e nenhum país, nem mesmo os mais ricos, oferece oportunidades verdadeiramente iguais.

Leia também: Movimento de mulheres sindicalistas faz ação para divulgar lei da igualdade salarial

O número mais baixo reflete as principais deficiências reveladas pela inclusão de dois novos indicadores (segurança e assistência à infância), além de remuneração, casamento, paternidade, local de trabalho, mobilidade, patrimônio, empreendedorismo e pensões.

O relatório avaliou pela primeira vez como 190 países estão implementando as leis existentes para proteger as mulheres, descobrindo o que chamou de uma lacuna “chocante” entre a política e a prática.

Assédio sexual

O relatório aponta que os obstáculos que as mulheres enfrentam para ingressar na força de trabalho global incluem barreiras para abrir empresas, diferenças salariais persistentes e proibições de trabalhar à noite ou em trabalhos considerados “perigosos”.

O assédio sexual é proibido no local de trabalho em 151 países, mas apenas 40 têm leis que o proíbem em locais públicos.

“Como podemos esperar que as mulheres prosperem no trabalho quando é perigoso para elas apenas se deslocarem para o trabalho”, disse o economista-chefe do Banco Mundial, Indermit Gill.

As mulheres também gastam, em média, 2,4 horas a mais por dia em trabalho de cuidado não remunerado do que os homens, em grande parte cuidando de crianças, sendo que apenas 78 países promulgaram padrões de qualidade que regem os serviços de creche.

No papel, as mulheres têm cerca de dois terços dos direitos dos homens, mas os países não dispõem dos sistemas necessários para a implementação e o cumprimento totais, segundo o relatório.

O relatório do Banco Mundial inclui recomendações específicas para os governos, incluindo o aprimoramento das leis relacionadas à segurança, cuidados infantis e oportunidades de negócios; a promulgação de reformas que eliminem as restrições ao trabalho das mulheres; a expansão das disposições sobre licença maternidade e paternidade; e o estabelecimento de cotas obrigatórias para mulheres nos conselhos de administração de empresas de capital aberto.

Tea Trumbic, principal autora do relatório, disse que apenas metade das mulheres participa da força de trabalho global, em comparação com quase três em cada quatro homens.

“Isso não é apenas injusto, é um desperdício. Os países simplesmente não podem se dar ao luxo de deixar de lado metade de sua população.”

Com informações de: Folha de S.Paulo

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"