alerj-e1495662500165

Deputados do RJ aprovam assalto a salários dos servidores

Decisão aumenta a contribuição previdenciária dos servidores igual à proposta na reforma da Previdência pelo governo federal

Mesmo em meio a protestos dos funcionários públicos, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou, nesta quarta-feira (24), Projeto de Lei que eleva a contribuição previdenciária dos servidores ativos e inativos de 11% para 14%. A decisão aconteceu no mesmo dia em que mais de 200 mil trabalhadores mobilizaram-se contra a reforma da Previdência Social e retrocessos nos direitos trabalhistas em Brasília.

O aumento da taxa de contribuição é parte das medidas exigidas pelo governo federal para o estado se adequar ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF). Sancionada pelo Poder Executivo na semana passada, a lei representa mais um ataque à aposentadoria dos brasileiros ao exigir uma série de cortes de custos nos orçamentos dos estados.

O regime, conhecido como “pacote de maldades”, veio após dois meses da retirada dos servidores municipais e estaduais do texto da Proposta de Emenda à Constituição 287/2016, que também prevê aumento na alíquota de contribuição dos funcionários públicos federais para 14%.

Além de protestarem contra o aumento, os servidores ainda reivindicam o pagamento dos salários atrasados. Deputados do PDT, inclusive, apresentaram, na terça-feira (23), uma emenda ao Projeto de Lei que só permitiria a elevação da contribuição se o estado quitasse seus débitos com os trabalhadores. O texto é de autoria dos deputados do PDT.

Repressão

Como aconteceu em Brasília, a Polícia Militar do Rio de Janeiro impediu que os manifestantes descontentes com a aprovação do projeto continuassem a exercer seu livre direito de protestar. Segundo informações d’O Estado de S. Paulo, às 15h48, os policiais já agiram contra os servidores com bombas de efeito moral para dispersar a mobilização.

A Alerj chegou a ser cercada por 500 agentes da PM e da Força Nacional, que fecharam os acessos às proximidades da Casa.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra