WhatsApp-Image-2018-02-22-at-10.22.47

CSB RJ visita entidades sindicais da Argentina para conhecer estratégias de combate a aplicativos de transporte particular individual

Taxistas argentinos conseguiram bloquear a plataforma do Uber em Bueno Aires

Com o objetivo de realizar um intercâmbio de ideias junto ao movimento sindical de países vizinhos, o vice-presidente da CSB no Rio de Janeiro Hildo Braga visitou, entre os dias 15 e 19/02, o Sindicato de Trabalhadores de Táxi de Buenos Aires e a Federação Nacional da categoria na Argentina. O propósito do encontro bilateral foi o de debater ações do país que podem ser aplicadas na organização dos profissionais brasileiros e o combate bem-sucedido da categoria contra os aplicativos de transporte particular individual.

No início de janeiro, a cidade de Buenos Aires conquistou na justiça a decisão inédita de ter as atividades do aplicativo Uber (única plataforma de transporte no País) bloqueadas. De acordo com a agência de notícias da Argentina, Télam, a deliberação foi do magistrado e titular da Corte Nº 2, Víctor Trionfetti, que ratificou a medida cautelar expedida pela juíza Claudia Amanda Álvaro, em abril de 2016, não cumprida pela Autoridade Nacional de Comunicações (Enacom).

Para Braga, tal vitória é só um exemplo da força da mobilização dos companheiros argentinos. Segundo o também diretor do Sindicato dos Taxistas do Município do Rio de Janeiro (STAMRJ), além do bloqueio do site e aplicativo do Uber, a categoria no país conseguiu aprovar leis para que o motorista pego prestando serviço pela plataforma seja preso junto ao passageiro – avanço possível graças à presença de um representante dos trabalhadores na casa legislativa de Buenos Aires, o deputado Claudio Palmeyro.

“A ideia da visita foi a de trocar informações já que eles estão anos-luz à nossa frente em termos de combate aos aplicativos. Então, eu fui saber como eles atuam; conhecer a estrutura das entidades sindicais. E o mais interessante, é que eles conseguiram fazer algo que até agora o Brasil não conseguiu: montar uma federação da categoria e eleger um candidato para a casa legislativa”, conta Braga.

Ainda de acordo com o dirigente, 90% dos usuários do Uber no país são estrangeiros e a maioria é brasileira. O vice-presidente da CSB no RJ também destacou que todo esse sucesso aconteceu mesmo após o aplicativo tentar contornar a lei ao fazer uma parceria junto à empresa de serviços para bitcoin Xapo. Depois de ser proibida a utilização de cartões expedidos na Argentina para o uso do Uber, a plataforma recorreu aos cartões da Xapo por serem registrados em Gibraltar e não bloqueáveis pela legislação municipal de Buenos Aires.

“A Argentina tem feito um trabalho diferente de todo o mundo quanto aos aplicativos de carro particular. Eles não deram chance, praticamente, de o aplicativo entrar no país. Lá, eles montaram uma federação que tornou muito mais difícil o funcionamento do Uber em Buenos Aires e a entrada de outros sites. E o que podemos tirar de aprendizado dessa história e tentar aplicar no Brasil é a união dos trabalhadores. Infelizmente, aqui, a categoria não tem uma união nacional e essa seria a forma de fazer com que a gente consiga suprir os nossos problemas. Acho importante também termos a força de eleger um representante dos trabalhadores para o Congresso, que crie leis favoráveis ao táxi”, aponta o sindicalista.

Outro ponto positivo ressaltado por Hildo Braga é a satisfação da categoria com a atuação do Sindicato de Buenos Aires e da Federação Nacional. Atualmente, as entidades representam, respectivamente, cerca de 40 mil e 120 mil trabalhadores. “Conversei com os taxistas em um ponto de táxi para saber o que eles achavam do movimento sindical e fui surpreendido por uma resposta favorável, por entidades atuantes, fortes, que lutam e agem pelos profissionais”, relata.

Os encontros do vice-presidente da CSB no Rio de Janeiro, junto ao presidente de ambas as entidades Jorge Omar Viviani e o deputado Claudio Palmeyro, aconteceram na sede da Federação (Federación Nacional de Peones de Taxi de la Republica Argentina), localizada na Avenida La Plata, na capital Buenos Aires.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra