Central dos Sindicatos Brasileiros

Centrais definem estratégias para greve geral de 14 de junho

Centrais definem estratégias para greve geral de 14 de junho
Reunião das entidades estabeleceu calendário de ações, que passam pelo apoio à greve dos professores e intensificação dos preparativos para a paralisação geral contra a reforma da Previdência

 

Foram definidas na última sexta-feira (10) as ações das centrais sindicais contra a reforma da Previdência e a organização da greve geral de 14 de junho. Reunidas, as entidades estabeleceram calendário de atividades em conjunto às dos movimentos sociais para fortalecer todas as ações até o dia 14. Uma delas é o apoio à greve dos professores, que acontecerá na próxima quarta-feira (15), com manifestações e atos de conscientização.

Estão previstas também ações no Congresso Nacional com a formação de grupos de trabalho para participar das seções sobre a reforma da Previdência. As centrais sindicais também estarão ao lado dos trabalhadores no Encontro Nacional do Setor dos Transportes; a atividade será construída pela categoria no dia 18 de maio.

A mobilização de toda a sociedade será intensiva com a realização de plenárias em todo o País. Os presidentes das centrais e movimentos sociais participarão de encontros com o objetivo de construir a greve geral.

Para o final do mês de maio, estão marcados os seguintes compromissos:

1) CNBB: 27 de maio, às 9h, em Brasília.

2) Conselho Nacional das Igrejas Cristãs (CONIC): de 29 a 31 de maio em São Paulo.

3) Mutirão de coleta de assinaturas do abaixo-assinado contra a reforma da Previdência: de 27 a 31 de maio.

Leia mais

Unificado, movimento sindical de Presidente Prudente conquista mais de 7 mil assinaturas contra reforma

Centrais sindicais divulgam nota contra os cortes na Educação

Mais de 200 mil pessoas dizem não à reforma da Previdência no Vale do Anhangabaú

Saiba tudo sobre a reforma da Previdência

Be Sociable, Share!