camara-csb-saude-bucal

Em sessão na Câmara, vice-presidente da CSB pede mais atenção para a saúde bucal no Brasil

Joana Lopes, que também é presidente da Federação da categoria, discursou em solenidade do Dia do Dentista, realizada na última sexta-feira (27), em Brasília

Comemorado na última quarta-feira (25), o Dia do Dentista ganhou uma sessão solene na Câmara dos Deputados, em Brasília, na última sexta-feira (27). Além de parlamentares e outros representantes da categoria, a vice-presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e presidente da Federação Nacional de Odontologistas (FNO), Joana Batista de Oliveira Lopes, esteve presente, e em discurso fez um apelo por mais atenção à saúde bucal brasileira. A dirigente aproveitou a oportunidade para alertar as autoridades sobre a falta de profissionais de saúde bucal no Sistema Único de Saúde (SUS).

“Não podemos permitir o descaso que está havendo com a saúde bucal em nosso País. Estamos com número insuficiente de profissionais na atenção básica e na rede especializada do SUS. Precisamos abrir este mercado de trabalho para que a população realmente possa ter acesso naquilo que a Constituição, no seu artigo 196 a 200, garante. Não é possível com o número enorme de dentista que nós temos nos Brasil a população continuar desassistida”, disse Joana, que também defendeu o terceiro turno e um salário mais justo.

“As unidades de saúde são fechadas a partir das 17h, impedindo que os trabalhadores brasileiros tenham acesso. É impossível continuar recebendo um salário incompatível com o inciso quinto do artigo sétimo da Constituição Federal, que diz que os trabalhadores brasileiros devem ter um piso salarial de acordo com o grau de complexidade de sua profissão, e odontologia é uma profissão complexa, que requer cuidados e atenção. É uma das profissões com mais riscos ocupacionais”, completou a presidente da FNO, que representa 25 sindicatos de odontologia de todo País.

Mesmo com tantas adversidades, a dirigente prometeu seguir em frente na luta pela profissão e pelo País. “Nós vamos continuar lutando pelo Brasil e por uma odontologia melhor. Para que a odontologia não seja uma profissão que só alcança quem pode pagar, mas que o humilde e o trabalhador possam ter realmente acesso aos melhores dentistas desse País. Precisamos de reconhecimento, tem vários projetos tramitando e precisamos resolver. Não vamos desistir do Brasil, não”, finalizou Joana.

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO