Assembleia Geral do Sintap prestou contas, definiu filiação à Unafa e formou comissão eleitoral

O encontro foi enriquecedor pelos esclarecimentos, questionamentos, sugestões e troca de informações

“Como sempre os de sempre participaram.” Certamente o diretor jurídico do Sintap-MT, Filogênio da Rocha Neto – que não esteve presente por viagem a trabalho – repetiria esta frase  já dita numa Paralisação Nacional há cerca de um mês, cujo movimento contou com 15 servidores participantes do sistema agrícola, agrário e pecuário do estado de Mato Grosso.

A cena se repete na Assembleia Geral realizada nesta quinta-feira (8) para tratar da prestação de contas do ano de 2012, a formação da comissão para o processo eleitoral e a  filiação do Sintap à União Nacional dos Fiscais Agropecuários – Unafa, com a presença do gestor da entidade, que também gere o Sinfa – Sindicato dos Servidores da Fiscalização Agropecuária do Estado do Maranhão – Sinfa-MA, Francisco Saraiva da Silva Júnior. Apesar de agradecida aos que estiveram presentes, a presidente do Sintap-MT, Diany Dias, tinha a expectativa que dentre os três temas, ao menos o que se refere a prestar contas do dinheiro repassado por essa gente trabalhadora à entidade, que é investido e gasto com tudo o que possa reverter em benefícios para esses profissionais, indiscutivelmente seria motivo suficiente para uma participação em massa.

Lamentável engano que se constata a cada movimento de interesse da sociedade e se reforça em cada encontro esvaziado que anula a construção de um município, estado ou país melhor aos seus trabalhadores. Conforme Artigos 14, 56 e 61, seus itens e parágrafos, do Estatuto do Sintap-MT, todos os temas tratados foram aprovados sem nenhuma ressalva pelos servidores presentes da Assembleia.

A ausência na Assembleia não pode ser justificada com o compromisso de trabalho nos órgãos públicos, uma vez que foram enviados ofícios aos segmentos do sistema agrícola, agrário e pecuário do estado de Mato Grosso com servidores sindicalizados para a liberação dos funcionários pelos gestores. Aos que participaram do encontro foram detalhados os itens e valores contabilizados em receita e despesa do ano de 2012, em que estes tiveram a oportunidade não apenas de conhecer os dados que tão somente a eles próprios interessam, mas também de tirar as possíveis dúvidas a respeito. A prestação de contas do ano passado consta neste módulo do site do Sintap-MT, no item Balanço Patrimonial.

Palestra – A filiação à Unafa foi aprovada em Assembleia e consolidada com a assinatura dos presidentes das entidades, Diany Dias e Francisco Saraiva, após palestra do gestor sindical que é presidente da União Nacional dos Fiscais Agropecuários. Expondo trabalho de pesquisa com dados da categoria que representa, Saraiva esclareceu a importância desta parceria, que reforça a valorização do profissional da fiscalização agropecuária, numa luta em nível nacional para agregar as instituições, passando pela articulação nos estados, a mobilização da categoria, com enfoque político tanto junto às entidades nacionais como internacionais, o que já foi experimentado em alguns estados com resultados promissores. “Não tendo sucesso no Ministério de Agricultura, buscamos os fóruns internacionais, o que dá uma conotação muito forte para os estados; e o Sintap vive um momento de negociação, que pede esse apoio da Unafa junto aos governos estaduais e federais, no congresso, senado, câmaras, secretários e demais gestores”, exemplificou.

Frente Parlamentar – Segundo Saraiva, um exemplo concreto dessa atuação em nível federal é a Frente Parlamentar; um fórum que já existe para participar em todos os assuntos de interesse da fiscalização agropecuária, com peso e prerrogativa de pedir audiências públicas para fomentar discussões, essencialmente com foco nos interesses da categoria. “Esta é mais uma conquista da Unafa, que hoje tem articulação em 26 estados; apesar de nemtodos terem entidades representativas, mas que possuem comissões para instituir sindicatos e já conversam com a Unafa, alguns ainda se regularizando para deliberar e aprovar Assembleia para sua filiação, e que atuam como nossos parceiros, trabalhando conosco e colaborando inclusive financeiramente com a entidade”, afirmou.

O gestor sindical acrescentou que a Unafa apóia a todos que têm interesse que as pessoas se interajam, com troca de experiências entre os estados, em que os presidentes das entidades orientam uns aos outros. Ele também enfatizou o apoio da Anffa Sindical – Sindicato Nacional dos Fiscais Agropecuários – justificando inclusive a ausência dos representantes da delegacia da entidade no estado de Mato Grosso, o delegado, secretário e tesoureiro, por motivo de viagem, além de ressaltar a importância da articulação entre esta, a Unafa e o Sintap. “É o presidente de cada estado que tem esse conhecimento e vive seus avanços, então fazemos a ponte entre eles e abrimos as portas para que eles conversem inclusive com a Anffa Sindical e seus delegados, com os quais já participei de várias reuniões e tenho incentivado essa aproximação da representação federal com a estadual, num trabalho para sensibilizar a categoria, principalmente aqueles que tinham uma distância muito grande desta entidade de âmbito nacional”, comentou.

Unafa/Sintap – O presidente da Unafa acredita que não adianta um estado estar forte e outro fraco, ou vice-versa. Em sua concepção cada estado tem sua particularidade e importância dentro do cenário nacional, em que nenhum é mais importante que o outro e em verdade um depende do outro; por isso devem estar todos alinhados trabalhando pela unidade do sistema, e outros desafios como a própria nomenclatura, harmonizar os procedimentos técnicos, mas recursos, etc. “Devemos incentivar essas discussões, buscando estar sempre perto dos estados que hoje sem mostram em posição desfavorável no nosso contexto profissional, a exemplo de baixa remuneração da categoria e outros fatores negativos.

Daí a importância do Sintap que denota posição favorável pelo bom conceito que apresenta perante as demais entidades sindicais, em estrutura, organização e comunicação, como já foi dito na Assembleia da Unafa em Brasília e  também pelo fato da liderança, visão estratégica e experiência de luta sindical da Diany que só vão agregar nessa luta nacional. Tudo isso tem um significado e peso muito forte para alavancar nosso segmento, e a filiação foi fundamental para fortalecer esse trabalho conjunto, porque hoje o Sintap enquanto representante do estado de Mato Grosso e a Unafa atuando em todos os estados, estes irão chegar ao Sintap e Mato Grosso a todos os outros estados, e esta é uma ponte que facilita essa comunicação”, finalizou.

Jurídico – Da assessoria jurídica do Sintap-MT estiveram os advogados Carlos Frederick e Carlos Eduardo Feguri, este, apesar de não fazer mais parte do quadro funcional, esteve na Assembleia para fazer os últimos esclarecimentos sobre processos jurídicos. Dentre os diversos assuntos esclarecidos, o ganho da ação da URV, determinando reajuste de 11,98% sobre o salário dos servidores sindicalizados, bem como o pagamento dos valores retroativos aos cinco anos antes da propositura da ação, ou seja, desde o ano de 2004. Frederick disse que atualmente a ação passa pela instância do Tribunal de Justiça, mas acredita que o aumento se concretize em um ano e meio.

A respeito da reeleição, os assessores deixaram claro o que permeia o Artigo 18 do Estatuto do Sindicato e o que ocorre atualmente em relação à reeleição da diretoria sindical. De acordo com Carlos Frederick, o estatuto impede a reeleição sim, mas “da mesma diretoria”, ou seja, a recondução só é proibida se a recomposição da diretoria for a mesma, isto é, as mesmas pessoas não podem compor a mesma diretoria, o que não é o caso atualmente, ao passo que até outros cargos foram criados e diretores se encontram também em posições diferentes.

Os assessores reforçaram sua explicação dizendo que, quando o estatuto trata de reeleição, não o faz de forma individualizada, e sim “coletiva”, se referindo ao candidato coletivamente, logo, nada impede que um membro saia candidato estando em outra composição da diretoria, o que ocorre hoje com os membros do Sintap-MT. “Acreditamos que passe pelo crivo da Assembleia, sendo colocado em votação o esclarecimento desse artigo, no sentido do parecer proferido pelo advogado Carlos Feguri, ou, se quiser uma discussão aprofundada não há argumento para derrubar tal posicionamento”, comentou.

A explanação do assessor Carlos Feguri só reforçou o raciocínio de Frederick. “É preciso lembrar como era o formato do estatuto anterior, o qual era muito comprometedor e não permitia que esse tipo de discussão ocorresse. A Assembleia que aprovou o estatuto e que eu auxiliei, o fez porque o regimento deixava a questão ‘reeleição’ indefinida e sem limites, por isso o novo documento foi pensado no sentido de estabelecer isto.

Além disso, o caráter é coletivo e o fato de se limitar a reeleição impede que permaneça indefinidamente uma só diretoria. Por outro lado, a Assembleia é soberana e o que ficar definido assim será, e esse trabalho foi reiniciado com uma nova diretoria eleita, por isso esta poderá sê-lo mais uma vez e posteriormente não mais”, concluiu.

Comissão – Esta será composta por quatro servidores sindicalizados, sendo a presidente deliberada em sorteio, a aposentada do Indea, Maria José Tavares de Mello Santos, e os demais componentes do Instituto Maria Justina Miranda Machado, Mauro Carlos Vieira e Miguelina Rosa do Espírito Santo, todos do Indea-MT. Do Intermat, estando presente apenas o diretor financeiro do Sintap, Odemir Castilho, este indicou os funcionários Roberto Nepomuceno dos Santos e Ernestina Bom Despacho Arruda. Já da Sedraf, nenhum foi indicado por não ter servidor sindicalizado na entidade sindical.

Sintap-MT

Diretoria – Dos componentes da diretoria sindical, além da presidente Diany Dias, estiveram presentes o diretor financeiro, Odemir Moreira Castilho, bem como quatro delegados, sendo três do interior do estado e a representante da supervisão regional da capital cuiabana. Da URS de Cuiabá, Oscarlina de Jesus; de Matupá, Joaquim Julião de Souza; de Juína, Rosimeire Bastiana da Costa Ritter e de Barra do Garças, Edinalva de Souza  Lopes.

Sintap-MT – “Antes de qualquer comentário específico sobre o que foi debatido, só tenho a agradecer o respeito dos servidores sindicalizados presentes com o trabalho do Sintap, bem como a preocupação em conhecer os resultados da atuação da diretoria sindical, para também ficar a par de como esta vem administrando o dinheiro destes trabalhadores.

É preocupante quando os servidores, e de preferência todos os filiados, não comparecem à uma Assembleia de interesse tão somente deles próprios, porque apesar de demonstrar que a diretoria tem credibilidade junto aos seus representados, e transparecer nestes confiança no trabalho do grupo sindical, por outro lado denota também desinteresse por parte dos sindicalizados em saber como é aplicado seu dinheiro; além destes deixarem de participar contribuindo com sugestões nos empreendimentos que o Sintap pleiteia para suas categorias, inclusive com o que conseguiu-se poupar até então, e está em caixa pronto para executar projetos em prol de nossos companheiros; pois entendo que todo líder precisa de ideias para viver esse processo construtivo, e preferencialmente que elas venham da nossa base, já que desta forma irá atingir aos maiores interessados, ou seja, todos os servidores que são a razão de ser dessa entidade.

Considero que o encontro foi bastante promissor não apenas pelos esclarecimentos neste sentido aos companheiros presentes, como pela presença do presidente da Unafa, Francisco Saraiva, que só veio somar com sua palestra enriquecedora e todos os dados referentes à categoria dos fiscais agropecuários no Brasil, e ainda, pela demonstração de interesse em participar do processo eleitoral de alguns colegas que culminou com a comissão que irá trabalhar nisto.

E em se tratando da reeleição, é importante ressaltar que, mesmo o estatuto anterior dando a possibilidade da diretoria se reeleger quantas vezes quisesse, ninguém foi mais que três mandatos; e isto só confirma o que venho observando há certo tempo, que a continuidade de um mesmo grupo em determinada entidade, não necessariamente denota o ‘continuísmo’, da forma inclusive pejorativa como muitas vezes o termo é colocado; até porque não há o que coíba e sobreponha o nosso voto, pois é através deste que se define nossos dirigentes em nível municipal, estadual e federal, logo, no sindicato não é diferente. Em verdade, somente pelo sufrágio decidimos quem comanda uma entidade,  seja inserindo ou tirando seus dirigentes, independente de seu estatuto”, finalizou Diany Dias.

Fonte: Sintap/MT

Alexandra Araújo/Sintap-MT

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)