ANAMATRA envia ofício à OIT e diz que reforma trabalhista viola Convenções Internacionais

Para Associação Nacional dos Magistrados, projetos violam convenções da OIT e colocam em risco as tentativas de erradicação do trabalho escravo no Brasil

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (ANAMATRA) divulgou no começo desta semana um ofício encaminhado à Organização Internacional do Trabalho (OIT), no qual manifesta sua preocupação com o andamento do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 38/2017, que trata da reforma trabalhista, e do Projeto de Lei (PL) 6442/16, que institui normas reguladoras do trabalho rural.

Para a Associação, o PLC 38/2017, que deve ser votado nesta terça-feira (6) na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal, descaracteriza o caráter protetivo do Direito do Trabalho no Brasil, afronta a Constituição e viola as Convenções nº 87,98 e 155 da OIT, que respeita à prevalência da negociação coletiva.

Outro ponto que preocupa a instituição é a precarização das normas relativas à segurança e saúde no trabalho, com a possibilidade de negociação sobre o grau de insalubridade, pagamento por produtividade e a prorrogação da jornada de trabalho em ambientes insalubres, sem licença prévia das autoridades do Ministério do Trabalho. Segundo o documento, a reforma trabalhista está distante de beneficiar os trabalhadores ou melhorar as condições de trabalho. Há um verdadeiro retrocesso, contrariedade à Constituição e violação das normas internacionais de trabalho.

Em relação ao PL 6442/16, de autoria do Deputado Nilson Leitão (PSDB/MT), a ANAMATRA deixou bem claro que há um risco às tentativas de erradicação do trabalho análogo e escravo no Brasil, além de também violar as Convenções nº 29 e nº 105, que foram ratificadas no País. O Projeto de Lei traz dispositivos que prejudicam os trabalhadores rurais e descaracteriza o atual conceito de trabalho análogo e escravo, previsto no art. 149 do Código Penal.

A proposta prevê que o empregado possa ficar dezoito dias trabalhando sem folga, sem o pagamento de horas extraordinárias, apenas do adicional de 50% sobre as horas excedentes, o que é contrário à Constituição. O Projeto de Lei prevê, ainda, o desconto salarial de 20% a título de moradia e de mais 25% a título de alimentação, trazendo o retorno do sistema de barracão e a possibilidade de o trabalhador contrair dívidas com o empregador, na hipótese de não conseguir alcançar produtividade suficiente para os pagamentos devidos, causas históricas da manutenção de trabalhadores em condições análogas à escravidão no Brasil.

Leia o ofício sobre o Projeto de Lei 6.442/2016

Leia o ofício sobre o PLC 38/2017

Compartilhe:

Leia mais
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores
Sindpd=SP ganha premio no Sindimais
Projeto do Sindpd-SP vence prêmio de Inovação no SindiMais 2024