1-1862

A CSP é uma central sem subordinação a interesses partidários, diz vice-presidente

Em entrevista, Luiz Sergio fala sobre os princípios da central e lista os principais desafios para os próximos anos

O presidente da Federação dos Contabilistas nos Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, Luiz Sergio da Rosa Lopes, foi eleito 1º vice-presidente da Central Sindical de Profissionais (CSP), entidade que atualmente representa mais de 300 sindicatos em todo o país. Em entrevista, Lopes falou sobre os principais desafios, objetivos, diferenciais e próximas ações da CSP e ainda comentou problemas atuais, como contribuição sindical,
inflação, juros e o fator previdenciário.

Leia a entrevista na íntegra:

Quais são os principais desafios da CSP nesse ano?

A inclusão da CSP no conjunto das centrais sindicais reconhecidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) é o grande desafio a ser enfrentado pela central. Com isso, poderemos participar dos órgãos de deliberação coletiva de interesse dos trabalhadores e ter maior representatividade em assuntos nacionais.

Qual é o diferencial da CSP?

A democracia. A CSP é uma central sem subordinação a interesses partidários. Os seus diretores podem e devem ter filiação partidária, mas a central é plural, aberta a novas ideias e disposta a lutar a favor das causas de todos os filiados. Trata-se de um espaço que permite discussões livres de qualquer tipo de pressão política. A única restrição é que
todo assunto tratado deve respeitar a Carta de Princípios da CSP, documento que
elenca as principais premissas e compromissos da central.

Em curto e médio prazo, quais são as próximas ações da CSP?

Além de nossos esforços para que a CSP seja uma central oficialmente reconhecida, vamos trabalhar em defesa de cinco causas importantes: unicidade sindical; consolidação das leis de trabalho (o que garante direitos mínimos aos trabalhadores); combate à desindustrialização do país, fortalecimento da indústria nacional e luta pela constante ampliação da oferta de empregos.

Qual é a importância da contribuição sindical para a organização do sindicato?

A contribuição sindical é essencial para a sobrevivência da maioria dos sindicatos. No universo sindical, não há apenas sindicatos que representam grandes categorias. Cerca de 80% dos sindicatos brasileiros organizam categorias pequenas. Essa maioria depende da contribuição sindical para oferecer serviços importantes para seus associados, tais como assistência médica e dentária.

O que a central pode fazer para melhorar a vida dos aposentados?

A CSP irá continuar a reivindicar o cumprimento de todos os direitos dos aposentados negados pela Previdência, em conjunto com as entidades da classe. Um exemplo é o que aconteceu com aqueles milhões de aposentados que se filiaram compulsoriamente há 30 ou 40 anos. O que foi acordado pela Previdência não é o que ela oferece hoje. Ao romper unilateralmente o contrato, a Previdência praticou um estelionato, prometeu uma coisa, cobrou por isso, mas não cumpriu. A expressão maior disso é a desavergonhada política de reajustes das aposentadorias. Foi o Estado que administrou a previdência, portanto, cabe a
ele suportar o prejuízo que causou.

Em sua opinião, o Banco Central está acertando em baixar os juros? O Governo conseguirá controlar a inflação?

Baixar os juros tem o objetivo de financiar a produção com capital financeiro de menor custo, assim como incentivar o consumo com o crédito pessoal mais barato.

Se a indústria tem capital de giro mais barato, em tese, o custo do produto será menor. Se o consumidor passar a ter maior poder aquisitivo, devido ao credito com custo menor, ele comprará mais.

Mas não é bem assim. Se a indústria, apesar do credito barato, mantiver seus preços (por ganância, reposição de perdas passadas, tecnologia ultrapassada ou outros motivos) a oferta continua a mesma.

Se a procura aumenta por parte do consumidor, por ter mais crédito barato, temos a chamada inflação de demanda, ou seja, os produtos ficam mais caros porque a quantidade de consumidores é superior à quantidade de produtos à venda, dessa forma, comprará quem se dispuser a pagar maior preço. Podemos assim concluir que baixar juros não significa controlar inflação. É um dos componentes da equação. A redução gradual dos juros tem o objetivo de tornar a nossa economia mais competitiva e monitorar a demanda.

O Banco Central é o guardião da moeda, dispõe de todos os instrumentos e informações para levantar, acompanhar, estimar, prever e traçar o melhor caminho para evitar tormentas na economia, segundo a teoria das probabilidades. Acredito que o Banco Central pode, sim, controlar a inflação.

Fonte: CSP

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra