contabilidade-e1429879103168

25 de Abril: Dia do Contabilista

Central luta pela valorização da categoria e contra a lei que estabelece o fim da profissão de técnico em contabilidade

O Dia do Contabilista, celebrado em 25 de abril, é comemorado por cerca de 500 mil contabilistas, de acordo com dados da Federação dos Contabilistas nos Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia (Fedcont). A profissão foi regulamentada há 69 anos pela lei 9.295.  Segundo o Conselho Federal de Contabilidade (CFC), a profissão existe há cerca de 4 mil anos, mas só no século 19 foi reconhecida como ciência.

O profissional da contabilidade é responsável pela gestão econômica de uma companhia, apuração dos resultados, cálculo dos impostos, entre outras atribuições. Entretanto, mais do que números e burocracia, os profissionais modernos falam de ética, flexibilidade e visão de futuro.

Para Luiz Sergio Lopes, presidente da Fedcont e vice-presidente da CSB, a profissão de contabilista é uma das mais importantes, pois contribui para o crescimento econômico dos países. “O contabilista é essencial em qualquer lugar do mundo. Nós contribuímos para diminuição do desemprego e ajudamos a impedir a corrupção. Sem a nossa categoria nenhum governo seria capaz de fazer uma arrecadação de impostos eficiente. Além disso, fiscalizamos toda a movimentação financeira de uma empresa e orientamos os empresários nas tomadas de decisões”, diz.

José de Souza, presidente da Federação dos Contabilistas do Estado de São Paulo (Fecontesp), explica que a figura do profissional da Contabilidade surge antes mesmo de uma empresa ser aberta, pois é ele quem vai orientar o empresário a criar e desenvolver o negócio; identificar qual o regime tributário mais adequado para a atividade; obter a legalização junto aos órgãos públicos, entre outros atributos. “Em todo o mundo, tanto os órgãos públicos quanto a iniciativa privada e o terceiro setor são obrigados a recorrer ao profissional da contabilidade no que diz respeito às finanças e ao patrimônio. O contabilista oferece ainda suporte fiscal, trabalhista, previdenciário, empresarial e mercantil. No Brasil, a ciência contábil para muitos pode parecer trivial, mas é muito importante e estratégica, pois por meio dela há oportunidade de amenizar a desigualdade social”, afirma.

A contabilidade está em constante transformação e evolução. No Brasil, a maior evolução foi a Lei 11.638/07, que trata da internacionalização da contabilidade. “A partir dessa norma a contabilidade passou a ser harmônica, e os balanços empresariais realizados no País podem ser consultados e entendidos por profissionais de qualquer nacionalidade. É importante mencionar que nos últimos anos tivemos muitas conquistas na classe contábil, com destaque para o fortalecimento institucional; a aplicação do Exame de Suficiência; a consolidação das Normas Brasileiras de Contabilidade – IFRS, e as aplicadas ao Setor Público – Ipsas”, avalia Rogério Marques Noé, presidente da Federação dos Contabilistas de Minas Gerais .

Reivindicações

A principal reivindicação da categoria é a revogação do Decreto-Lei 9.295/46. Aprovado em 2010, o decreto estabelece que apenas os bacharéis em Ciências Contábeis exerçam a profissão e se registrem no Conselho Federal de Contabilidade. Segundo esta lei, a partir de 1 de junho de 2015, os técnicos em contabilidade não registrados e que não fizeram o exame do CFC serão proibidos de fazê-los, além de não poderem mais solicitar o registro nos conselhos regionais.

De acordo com Luiz Sergio, esta medida vai acabar com 200 mil postos de trabalho. “Muitos argumentam que a falta de qualidade dos cursos é uma das razões para a extinção do técnico em contabilidade, porém o fim da profissão e o fechamento dos cursos não visam melhorar a qualidade do ensino, mas sim atende a interesses econômicos. Se houvesse o real objetivo de melhorar a educação técnica, em vez de propor a extinção apenas, o Conselho Federal de Contabilidade teria promovido outro tipo de discussão. Querem destruir para depois reconstruir, a partir dos cursos superiores. O que houve foi o atendimento dos interesses dessas entidades privadas”, critica.

“A mudança vai cercear o acesso das pessoas ao exercício de uma profissão que está normalmente legalizada no País e funcionando. Há a enorme necessidade de suprir o mercado, e esse segmento dos profissionais de nível técnico é essencial para poder atender à demanda existente no País”, explicou o vice-presidente da CSB.

A Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL), da qual Luiz Sergio é vice-presidente, entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal contra as modificações do Decreto-Lei. A ADI pede que o STF suspenda a eficácia das modificações da Lei.

Os contabilistas também reivindicam a valorização profissional e a reforma tributária. “Ainda falta o reconhecimento da sociedade, pois somos uma categoria que tem muito a oferecer para a melhoria do País.  A redução da carga tributária é um dos pontos fundamentais para o crescimento do Brasil. É tanto tributo que os brasileiros têm de pagar, que muitos setores da economia desanimam em ampliar suas atividades, e outros não conseguem sequer se manter no mercado. E, a cada ano, essa carga tributária só aumenta. Além dos impostos federais, há as tributações estaduais que, muitas vezes, fazem um imposto sobre determinada área ser pago mais de uma vez. É necessário unificar e reduzir certas taxas”, avalia Tadeu Oneda, presidente da Federação dos Contabilistas de Santa Catarina.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra