csb-oit-trabalho-escravo

Subprocurador-geral do MPT diz que é esdrúxula Portaria do trabalho escravo

No Congresso Estadual em Gramado (RS), Luís Antonio Camargo afirma que Brasil foi rebaixado pela OIT e destaca retrocesso sem igual na proteção aos trabalhadores

Publicada pelo Ministério do Trabalho no Diário Oficial da União, no último dia 16 de outubro, a Portaria 1.129 – que muda o conceito de trabalho forçado e análogo ao escravo para fins de concessão de seguro-desemprego – foi motivo de duras críticas do subprocurador-geral do Ministério Público do Trabalho Luís Antônio Camargo de Melo durante o Congresso Estadual da CSB no Rio Grande do Sul, nesta quinta-feira (19).

“A edição dessa Portaria é tão esdrúxula que o ministro do Trabalho publica na segunda-feira, e no mesmo dia a Secretaria de Inspeção do Trabalho edita uma orientação para que os auditores fiscais não cumpram a Portaria, imediatamente começaram a paralisar”, contestou o especialista em referência à paralisação por parte destes profissionais em 21 estados nas ações de fiscalização contra o trabalho escravo.

Na palestra sobre formas degradantes de trabalho, Camargo salientou que houve avanços no combate ao trabalho escravo nos últimos anos no Brasil. O subprocurador-geral disse que a discussão do tema ganha combustível com a publicação da Portaria.

Dados do Ministério do Trabalho apontam que, em 2016, “os auditores fiscais resgataram 885 trabalhadores identificados em condições análogas à de escravo”. Os números revelam também que foram realizadas 40.381 ações de saúde e segurança e 5.776 de combate ao trabalho infantil.

Nesta quarta-feira, a CSB divulgou nota de repúdio contra a medida e vai denunciar o presidente Michel Temer na OIT por promover o trabalho escravo.

Luís Camargo alertou que o Brasil, “reconhecido como País de boas práticas, acaba de ser rebaixado pela OIT”. “Até o ex-presidente FHC condenou a Portaria; em 2000 ele criou uma comissão, que integrei, e escrevemos o primeiro plano nacional de erradicação do trabalho escravo”, completou o subprocurador.

Assista à palestra no Facebook. Para ver as imagens de trabalhadores resgatados em condições degradantes de trabalho, clique aqui.

Leia entrevista do subprocurador-geral ao jornal Zero Hora.

Estrutura sindical – entidades, suas bases e Justiça do Trabalho

“A aproximação dos sindicatos com a base é o que vai dar o tom de mudança em relação à reforma trabalhista”, defende o procurador do Ministério Público do Trabalho Rogério Uzun Fleischmann em sua apresentação sobre estrutura sindical.

Ele apontou a surpresa que teve com a reação da sociedade civil de achar que a retirada da contribuição sindical é positiva. Na sua leitura, além da campanha agressiva e mentirosa feita pela mídia, as entidades sindicais se esqueceram de ouvir os trabalhadores. “Esse é um dos fatores que levaram os trabalhadores a nos deixarem sozinhos nesse processo da reforma trabalhista. Mas temos chance de mudar esse roteiro”, pontua.

Em contraponto, e propondo um debate – que contou com a participação dos congressistas gaúchos –, o presidente da CSB, Antonio Neto, sustentou que “não podemos ter um olhar pessimista sobre as coisas, mas de responsabilidade” e que o movimento sindical esteve à frente nos principais momentos de tramitação da reforma, alertando as bases e os trabalhadores.

“Compreendendo que a sociedade enfrenta um momento de dificuldade”, disse o dirigente, afirmando que enxerga nessa hora a oportunidade de formação de lideranças e fortalecimento. “A aprovação da reforma trabalhista foi tão rápida e açodada, que mais dia, menos dia, vamos revogar”, argumentou Neto.

Embora tenha visão mais otimista em relação à possibilidade de custeio dos sindicatos, que estará chancelada por decisão em assembleia ou previsão em acordo coletivo da categoria, o procurador faz um alerta. “O espírito do governo, do Congresso e de parte do Judiciário, especialmente o STF [Supremo Tribunal Federal], é de não permitir”, lamentou.

Rogério Fleischmann criticou ainda as tentativas de extinção da Justiça do Trabalho e reforçou que a “implementação dos direitos sociais depende de uma instituição que tenha o viés que o Ministério Público do Trabalho, os auditores fiscais e os sindicatos têm”.

Veja o vídeo da palestra aqui.

Quer ficar por dentro das demais palestras deste dia 19 de outubro no Congresso Estadual do Rio Grande do Sul? Confira os vídeos e as apresentações abaixo.

  • O procurador regional do Trabalho no Ceará, Francisco Gérson Marques, apresentou aos congressistas a importância da negociação coletiva na reforma trabalhista. “A lei está cheia de armadilhas até mesmo para o próprio empresário. Precisamos aperfeiçoar as técnicas de negociação”, disse.

Assista à palestra na íntegra e veja detalhes na apresentação.

 

  • O subprocurador-geral do MPT Luís Antonio Camargo também falou sobre as ações coletivas nos sindicatos. Ele lembra que, na relação de trabalho, o trabalhador é a parte mais fraca, e por isso considerado hipossuficiente.

“A hora é de buscar que a base esteja dentro do sindicato. Quanto mais cedo estiverem, mais fortalecida estará a entidade. Precisamos encontrar as nossas convergências”, argumenta.

Veja informações técnicas nesta apresentação. Para assistir à íntegra da palestra, acesse este link.

Veja a galeria de fotos

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra