Sem previsão orçamentária, Censo não será realizado em 2021, afirma governo

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, declarou hoje que o Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) não será realizado em 2021. A justificativa apresentada foi a falta de previsão de recursos no Orçamento sancionado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

“Não há previsão orçamentária para o Censo em 2021. Portanto, não se realizará em 2021. As consequências e gestão para um novo Censo serão comunicadas ao longo desse ano, em particular, a partir decisões tomadas pela junta orçamentária”, disse.

Essa edição do Censo já foi postergada em um ano – deveria ter sido realizada em 2020, mas foi adiada por conta da pandemia.

Sem a realização da pesquisa, especialistas afirmam que há perda de qualidade das políticas sociais, redução na distribuição de recursos para os municípios e descompasso nas pesquisas regulares de emprego e renda são algumas das consequências de um novo adiamento.

Entre os problemas causados pelo atraso está a distribuição de recursos públicos, já que o volume transferido nas cotas dos fundos de participação estaduais e municipais tem por base o número de habitantes de cada local.

O número de moradores ajuda a definir, por exemplo, os coeficientes de repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), uma das principais fontes de receita das prefeituras, usado sobretudo para custear a folha de pagamento. Sem a nova contagem da população, as estimativas ficam defasadas.

Rodrigues também negou que exista o risco de paralisia da máquina pública em 2021 por falta de recursos para bancar os ministérios. Ele declarou que o governo deve gastar R$ 87 bilhões com despesas discricionárias, que são usadas para bancar o dia a dia dos órgãos públicos e para investimentos.

“Entendemos que neste momento não ocorremos risco de termos parada em nenhum dos ministérios”, disse.

O secretário do Tesouro, Bruno Funchal, afirmou que a estimativa do governo para custear a manutenção dos trabalhos nos ministérios é de R$ 70 bilhões.

“Em um ano normal, alguma coisa em torno de R$ 65 bilhões seria um número mínimo de discricionária para rodar a máquina”, disse Funchal.

Gastos com pandemia fora do teto somam R$ 103 bi

As despesas com o enfrentamento à pandemia já somam R$ 103 bilhões em 2021, afirmou hoje o secretário do Tesouro, Bruno Funchal —os valores ainda podem subir com a aprovação de novos gastos para a saúde.

O montante atual inclui R$ 88 bilhões em despesas já contratadas —sendo R$ 44 bilhões com o auxílio emergencial e parte em restos a pagar do ano passado— mais R$ 10 bilhões estimados com a reedição do programa BEm e R$ 5 bilhões com o Pronampe.

Essas despesas serão cobertas por crédito extraordinário e não serão computadas no cálculo da regra do teto de gastos, mas são gastos primários que têm impacto sobre a dívida pública.

Fonte: UOL

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social