shutterstock_109053650-1

Salário cresce 4% acima da inflação

Índice corresponde aos nove primeiros meses de 2012

O rendimento dos trabalhadores nas seis principais regiões metropolitanas do país mostra alta expressiva e disseminada pelos vários setores da economia neste ano, num quadro marcado por desemprego baixíssimo. De janeiro a setembro, a renda cresceu 4% acima da inflação sobre o mesmo período do ano passado, com aumentos significativos na indústria (4%), no comércio (4%), na construção civil (5%), nos serviços domésticos (8,1%) e nos chamados outros serviços, que incluem alojamento, transporte, limpeza urbana e serviços pessoais (4,5%).

A ocupação, por sua vez, tem um desempenho mais moderado e menos homogêneo – sobe com força na construção, na administração pública e nos serviços a empresas e no setor financeiro, recuando na indústria e nos serviços domésticos. Na média de todos os segmentos, a alta é de 1,9% nos três primeiros trimestres. Todos os números são da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE.

O rendimento na indústria sobe com força neste ano, mesmo com o desempenho capenga do setor. De janeiro a setembro, a renda dos trabalhadores teve um aumento real (descontada a inflação) de 4%, a despeito de a produção industrial ter recuado 3,5% no período.

Para o economista Juan Jensen, da Tendências Consultoria, a indústria tem concedido reajustes salariais robustos para não perder trabalhadores, num momento em que o mercado de trabalho está aquecido e o setor de serviços compete por eles.

“A indústria é pressionada a aumentar a remuneração de seus empregados, para não ficar sem mão de obra capacitada e qualificada, que poderia ir para os serviços”, diz o economista Caio Machado, da LCA Consultores. Jensen e Machado afirmam que as empresas do setor optaram por reter mão de obra neste ano, apesar da produção fraca.

Segundo eles, a expectativa de melhora da atividade na segunda metade deste ano – que começou a ganhar corpo nos últimos meses – fez as indústrias evitarem grandes demissões. Num quadro de baixo desemprego e falta de mão de obra qualificada, perder trabalhadores especializados é um risco que muitas empresas preferiram não correr.

Para completar, o grau de formalização é hoje mais alto, e demitir funcionários com carteira assinada tem um custo elevado. Todos esses fatores ajudam a explicar por que a indústria tem concedido aumentos robustos, mesmo num momento em que enfrenta problemas de competitividade.

O nível de emprego no setor, por sua vez, encolheu 0,5% de janeiro a setembro. “Mesmo assim, a queda da ocupação foi num ritmo menor que o sugerido pelo recuo na produção. Mais trabalhadores teriam sido demitidos se o passado fosse um bom guia nesse caso. Houve retenção de mão de obra”, analisa Machado.

Jensen afirma que os aumentos fortes de salários afetam a competitividade da indústria, que tem dificuldade de repassar a alta de custos para os preços, dada a concorrência externa ainda forte, mesmo com o câmbio um pouco mais desvalorizado. No setor de serviços, pouco ou nada exposto à competição internacional, os reajustes salariais têm muito mais facilidade em se traduzir em preços mais altos – não por acaso, a inflação de serviços roda na casa de 8% no acumulado em 12 meses.

“O nível baixíssimo de desemprego na economia tem grande importância para o avanço forte do rendimento neste ano”, ressalta Jensen. “Aumenta a capacidade de pressão dos trabalhadores, que tendem a conseguir reajustes robustos”, complementa Machado. Em setembro, a taxa de desemprego ficou em 5,4%, o nível mais baixo para o mês desde o começo da nova série da PME, em 2002. Além da retenção de mão de obra e do crescimento mais forte do setor de serviços, um grande empregador, fatores demográficos também explicam a desocupação baixa no país. A taxa de fecundidade da mulher brasileira caiu muito, o que diminui a oferta de trabalhadores.

O próprio aquecimento do mercado de trabalho explica o bom desempenho do setor de serviços. A alta forte do rendimento e – em menor medida – da ocupação alimenta a demanda por essas atividades, que têm mais espaço e necessidade de fazer mais contratações.

De janeiro a setembro, cresceu 3,5% o nível de emprego no setor que engloba serviços a empresas, intermediação financeira (como bancos), aluguéis e atividades imobiliárias. Também houve um aumento forte, de 3,6%, no segmento que inclui administração pública, educação, saúde, serviços sociais, defesa e seguridade social.

O setor de serviços domésticos se destaca pela alta muito expressiva do rendimento, combinada com uma queda considerável da ocupação. De janeiro a setembro, a renda no segmento superou a inflação em 8,1% em relação ao mesmo período de 2011. “A alta reflete em parte o reajuste real de 7,5% do salário mínimo neste ano, uma referência importante para a categoria, mas também a menor oferta de trabalhadores”, nota Machado. Com o aquecimento do mercado de trabalho, empregadas domésticas têm buscado emprego em outros setores, o que fica claro no recuo de 1,9% registrado pela ocupação nos serviços domésticos.

A construção civil, por sua vez, registrou aumento forte da ocupação e do rendimento real de janeiro a setembro, de 4% e 5%, pela ordem. Há escassez de mão de obra no setor, o que ajuda a entender o resultado, mesmo num momento em que construtoras enfrentam dificuldades. Nos últimos meses, porém, a renda e o emprego no setor perderam fôlego. Em janeiro, o rendimento real na construção aumentou 13,8% sobre janeiro de 2011; em setembro, a alta nessa mesma comparação foi de 1,9%.

Para os próximos meses, a expectativa dos analistas para o mercado de trabalho continua favorável, dado à perspectiva de consolidação da retomada da atividade. “Avaliamos que a aceleração da economia ao longo do segundo semestre deste ano e no começo de 2013 deve manter o emprego em expansão e a renda em alta”, resume, em relatório, o economista Aurélio Bicalho, do Itaú Unibanco.

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra