Profissionais liberais vão às ruas na França

Reforma de carreiras regulamentadas, como médicos e farmacêuticos, foi alvo de protestos

PARIS – Encerrada a greve de pilotos da Air France, um novo movimento teve início ontem na França. Médicos, farmacêuticos, fisioterapeutas, dentistas e outros profissionais liberais foram às ruas protestar contra a reforma proposta pelo governo de François Hollande que flexibiliza as carreiras regulamentadas e protegidas da concorrência. O objetivo é reduzir os privilégios da classe, cujos benefícios resultariam em mercado fechado e preços elevados.

As manifestações foram realizadas na capital, Paris, mas também em Bordeaux, Marselha, Montpellier, Nantes e Toulouse, e envolveram profissionais de 70 áreas – de um total de 200. A mobilização foi maior nas áreas médica e biológica. Segundo sindicatos setoriais, 77% dos consultórios, farmácias e escritórios fecharam as portas no país. De acordo com a Ordem dos Farmacêuticos da França, 90% das 22 mil farmácias, que empregam 150 mil pessoas, fecharam as portas ontem, liderando o protesto em todo o país.

Os farmacêuticos lutam contra o fim do monopólio na venda de medicamentos – o projeto prevê que supermercados possam oferecer remédios que dispensem receitas médicas. “Em 30 anos de carreira, é a primeira vez que eu vejo uma mobilização. É realmente excepcional”, comemorou Isabelle Adenot, presidente do Conselho da Ordem dos Farmacêuticos. “Nosso papel também é defender a honra da profissão. É por isso que apoiamos a mobilização.”

Um dos temores dos farmacêuticos é de que a venda de medicamentos em supermercados roube-lhes mercado e faça os preços baixarem em um primeiro momento, mas provoque o fechamento de farmácias e o posterior aumento dos preços.

Além dos farmacêuticos, 70% dos médicos, 60% a 70% dos dentistas, 50% dos enfermeiros e arquitetos e 50% dos veterinários e dos advogados teriam cruzado os braços ontem, ainda segundo os sindicatos – não houve avaliação do governo para contrapor esses dados.

“É um dia histórico, porque a greve teve alta adesão em todos os setores. Não convocamos a manifestação, mas muita gente desfilou”, disse Michel Chassang, presidente da União Nacional dos Profissionais Liberais (Unapl).

Em Paris, o movimento começou ainda pela manhã, quando centenas de profissionais, em especial das áreas médicas, saíram às ruas vestindo jalecos brancos e com apitos e cartazes contra a proposta de desregulamentação.

Os manifestantes fizeram uma passeata entre a Esplanada dos Inválidos, passando pelo Senado e encerrando em frente ao Ministério da Economia, que elabora o projeto de reforma. Segundo o ministro da Economia, Emmanuel Macron, os protestos de ontem foram “legítimos”, e devem abrir uma fase de “soluções concertadas” na reforma.

Fonte: ANDREI NETTO – O ESTADO DE S.PAULO

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"