quem-ama-vacina

Movimento Direitos Já! lança campanha em defesa da vacinação

Com a presença de diferentes setores da sociedade civil e da política, a campanha Abrace a Vacina visa conscientizar

Vivendo em um período de intensas dificuldades causadas pela péssima gestão do Governo Federal diante da pandemia de covid-19, a aprovação das vacinas pela Anvisa devolveu aos brasileiros o direito à esperança. Porém, em meio a um intenso negacionismo promovido por Jair Bolsonaro, que minimiza tanto a letalidade do coronavírus quanto a importância da vacinação, é necessário reafirmar perante a população a urgente necessidade de se vacinar.

Dessa forma, foi lançada a campanha Abrace a Vacina, idealizada pelo movimento Direitos Já! e que visa promover a conscientização da opinião pública brasileira, reafirmando que se vacinar é única maneira eficiente de se proteger da covid-19. O lançamento foi feito a partir de um evento virtual, que contou com a presença de diversos setores da sociedade civil.

Representando as centrais sindicais, estava presente o presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Eduardo Patah, que defendeu a vacinação como o único caminho para retomarmos a normalidade. “Não há dúvida que a vacina é o instrumento mais poderoso e mais factível para a transformação da situação grave que vivenciamos em uma nova normalidade”.

Além disso, Patah ressaltou que a vacina é um dos três pilares defendidos pelas centrais, os outros dois são a manutenção do auxílio emergencial e também a defesa da democracia.

Movimento Direitos Já!

O Direitos Já! é um movimento que visa construir uma frente ampla e democrática, capaz de resistir a incompetência e aos retrocessos promovidos por Jair Bolsonaro. Fernando Guimarães, sociólogo e coordenador do movimento, ressaltou o caráter amplo da campanha. “O Abrace a Vacina é uma iniciativa do Direitos Já!, da Frente Pela Vida e de mais de 200 organizações e personalidades que se somam conosco”.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra