Veto à desoneração da folha pode gerar precarização, diz Antonio Neto na Record

Em entrevista ao programa ‘Domingo Espetacular’, na TV Record, o presidente da CSB, Antonio Neto, afirmou que o veto do governo ao projeto que prorroga a desoneração da folha de pagamentos de 17 setores da economia pode alimentar um processo de ‘pejotização’. Neto preside também o Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação de São Paulo (Sindpd-SP), um dos setores beneficiados pela medida vetada.

Um milhão de trabalhadores brasileiros podem perder o emprego com o fim da desoneração da folha de pagamento dos 17 setores, argumentam empresários e sindicalistas. Deputados e senadores se unem para tentar derrubar, nesta terça-feira (28), o veto do presidente Lula ao projeto.

“Com o aumento [do custo] da mão de obra, você automaticamente fica preocupado, porque ao admitir [funcionários], você acresce o imposto a ser pago. E isso vai gerar precarização, especialmente no setor de tecnologia da informação. A ‘pejotização’, contratação de MEI, cooperativas de trabalho, ou seja, vai precarizar o trabalho. E vai, contrariamente aquilo que o ministro [do Trabalho] Marinho tem proclamado, da necessidade de geração de empregos, geração de renda e acima de tudo, formalização do mercado de trabalho”, opinou na reportagem da TV Record exibida neste domingo (26).

O projeto foi aprovado pelo Congresso em 25 de outubro, o Executivo tinha até a quinta (23) para sancionar ou vetar integral ou parcialmente o texto. Após pressão do Ministério da Economia, Lula vetou integralmente o texto. No entanto, o Congresso Nacional pode rejeitar o veto presidencial e promulgar a lei, o que pode acontecer nesta terça.

Na última sexta-feira (24), as centrais sindicais criticaram a decisão do governo de vetar a prorrogação da desoneração da folha. O texto é assinado pelos presidentes das centrais CSB, Força Sindical e UGT.

“O veto coloca milhões de empregos em risco, estimula a precarização no mercado de trabalho e levará ao fim do ciclo, conduzido pelo Ministério do Trabalho, de redução do desemprego. O resultado será perda de arrecadação, insegurança e empregos de menor qualidade”, diz o documento.

A medida fazia uma substituição tributária na folha de pagamentos de 17 setores da economia. Os setores argumentam sobre a importância da desoneração para a manutenção e criação de empregos.

Segundo o projeto – que estava em vigor desde 2012 -, os setores contemplados podem pagar alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta, em vez de 20% sobre as folhas de pagamentos.

Na carta, as centrais dizem que a decisão do governo se deu sem debate com o movimento sindical.

“Desonerar a folha de pagamento é uma questão de sensibilidade social. A equipe econômica comete um equívoco ao jogar o ajuste fiscal no setor produtivo e no emprego formal, pois a conta será absorvida pelos trabalhadores seja com o desemprego ou com a informalidade”, completa.

Na conclusão do texto, as centrais dizem esperar que o Congresso restabeleça a desoneração “para um ambiente de geração de emprego para os trabalhadores brasileiros neste fim de ano.”

Compartilhe:

Leia mais
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto sobre Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto