CSB-SP realiza plenária ampliada e discute organização da luta sindical no estado

A CSB-SP realizou uma plenária sindical ampliada na tarde desta segunda-feira (4), na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação de São Paulo (Sindpd-SP), no centro da capital paulista.

Esta foi a primeira vez que os dirigentes sindicais se reuniram presencialmente desde o início da pandemia de Covid-19, o que foi celebrado pelo presidente da CSB-SP, Tiago Pereira.

“Claro que nunca paramos o trabalho de organizar a luta sindical aqui em São Paulo, buscando filiações, e com muito orgulho nossa central tem crescido no estado e no Brasil todo apesar de um período tão difícil”, disse.

Álvaro Egea, Antonio Neto, Tiago Pereira e Paulo de Oliveira.

O presidente nacional da CSB, Antonio Neto, falou novamente sobre as conversas e grupos de trabalho dos quais a central tem participado junto ao governo federal, conforme tem feito em todos os encontros regionais num esforço de manter a base atualizada nacionalmente e de ouvir a todos.

Ele destacou o GT da negociação coletiva, que discute meios de garantir o sustento e fortalecimento dos sindicatos, além de uma reforma sindical. O GT se reúne novamente nesta terça-feira (5), na tentativa de finalizar uma minuta de projeto de lei que será enviado ao Congresso Nacional.

Uma das principais propostas é da contribuição assistencial, ou taxa negocial, que tem sido equivocadamente chamada de “volta do imposto sindical” na mídia.

Neto criticou mais uma vez a propaganda antissindical que tomou os grandes meios de comunicação em torno desta proposta e agora respaldado pelo Supremo Tribunal Federal, que na última semana formou maioria em favor da constitucionalidade da contribuição assistencial.

De acordo com o entendimento dos ministros que já votaram pela tese vencedora, a contribuição assistencial não se confunde com imposto sindical e é necessária para sustentar a atividade dos sindicatos, que negociam em nome do toda a categoria.

Relacionada: Com voto de Moraes, STF forma maioria a favor da contribuição assistencial; entenda

O STF determinou também que deve ser garantido o direito à oposição por parte dos trabalhadores, para que não se fira a liberdade de associação. No entanto, os ministros não estabeleceram a forma de oposição, que também está sendo discutida no Grupo de Trabalho.

A plenária da CSB-SP contou com a participação também do secretário nacional de Mobilização da CSB, Paulo de Oliveira, do secretário-geral, Álvaro Egea, além de cerca de 100 dirigentes sindicais.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)