sp-viaduto-docha

Centrais Sindicais pedem a Doria lockdown intenso em SP: “A vida é a prioridade absoluta”

As Centrais Sindicais – CSB, CUT, Força Sindical, UGT, CTB e NCST, foram a público pedir ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que intensifique medidas de lockdown em todo o estado. O pedido é feito em em meio ao processo de agravamento descontrolado da crise sanitária, com milhares de mortes diárias e o colapso do sistema de saúde público e privado.

A nota ainda classifica como “criminosa” a ausência de uma coordenação nacional no enfrentamento da pandemia e criticou o “negacionismo no governo federal”.

O Brasil e o estado de São Paulo seguem batendo recordes de mortes diárias e novas infecções, levando os sistemas de saúde ao colapso.

Veja o texto na íntegra onde as centrais sindicais pedem a Doria o aumento do lockdown:

“Ao Governador do Estado de São Paulo João Dória,

As Centrais Sindicais – CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST e CSB, diante do processo de agravamento vertiginoso e descontrolado da crise sanitária, das milhares de mortes diárias, do estrangulamento e colapso do sistema de saúde público e privado e da criminosa ausência de coordenação nacional e do negacionismo no governo federal, propomos ao Governo de São Paulo:

1. Que sejam adotadas medidas para ampliar e aprofundar o lockdown em todo o Estado, renovando-o pelo período necessário, com o objetivo de inverter rapidamente a curva de contágios e de mortes.

2. A aprovação do orçamento para a saúde e a liberação dos recursos a sustentabilidade da rede hospitalar e preventiva de saúde no Brasil.

3. Promover mesa de diálogo social com o setor produto – empresários e trabalhadores – para acordar medidas complementares e de apoio às propostas acima, bem como para avançar na formulação de medidas para enfrentar a crise econômica.

As entidades colocam-se à disposição do Governo do Estado para ampliar a pressão junto ao Congresso Nacional para que apoie essas duras medidas e que atue com celeridade e urgência para a aprovação de medidas de proteção econômica das empresas, dos empregos e da renda das pessoas e famílias.

Sérgio Nobre – Presidente da CUT – Central Única dos Trabalhadores
Miguel Torres – Presidente da Força Sindical
Ricardo Patah – Presidente da UGT – União Geral dos Trabalhadores
Adilson Araújo – Presidente da CTB – Central dos Trabalhadores e
Trabalhadoras do Brasil
José Reginaldo Inácio – Presidente da NCST – Nova Central Sindical de
Trabalhadores
Antônio Neto – Presidente da CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros”

Fonte: Brasil Independente

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra