Centrais sindicais organizam ato contra medidas e em favor da Petrobras

Manifestação pede revogação de medidas provisórias que alteram seguro-desemprego e abono, entre outros direitos

Em reunião na sede da União Geral dos Trabalhadores (UGT) nesta segunda-feira (26), em São Paulo, seis centrais sindicais anunciaram o foco do Dia Nacional de Lutas em Defesa dos Direitos e do Empregos. A revogação das Medidas Provisórias (MP) 664 e 665 que alteram direitos previdenciários e trabalhistas anunciadas em 29 de dezembro pelo governo federal e manifestação a favor da Petrobras.

GEDSC DIGITAL CAMERA

As centrais informaram que o ato deve acontecer em todas as capitais brasileiras, a partir das 11h de quarta-feira (28). Em São Paulo, a concentração será às 10h, no MASP, de onde a marcha seguirá pela Avenida Paulista, com uma parada em frente à Petrobras e outra em frente ao prédio do Ministério da Fazenda.

Segundo os sindicalistas da UGT, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Nova Central (NCST) e CTB, para estabelecer a paz, ministros e o governo federal devem reverter as medidas anuciadas, que gerariam uma economia de R$ 18 bilhões, de acordo com dados do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. A parada no Ministério da Fazenda será para entrega de documento elaborado pelas entidades com questionamentos sobre a linha econômica da nova equipe capitaneada por Levy. alvarocoletiva

A manifestação na Petrobras é para exigir do governo que a empresa não seja penalizada pela corrupção de funcionários da alta cúpula. A dificuldade em obter crédito pela estatal afeta obras e atrasa o pagamento em unidades da empresa em todo o País.

“Estamos dialogando com os ministros, para que os trabalhadores não paguem o preço do ajuste fiscal. Em momento algum o governo ofereceu outro setor em sacrífício. Não cortou cartão corportivo, não cortou sequer um dos 39 ministérios. Podem trabalhar isso [os cortes] em outras questões, como as grandes fortunas, como aumentar fiscalização a sonegadores”, reclama Francisco Pereira de Sousa, secretária de organização sindical da UGT.

Segundo o secretário-geral da CUT Sérgio Nobre, a política econômica recessiva adotada no segundo de Dilma é a política do candidado que perdeu as eleições, Aécio Neves.

No dia 3 de fevereiro, as centrais têm um segundo encontro marcado com os ministros do Trabalho (Manoel Dias), Previdência Social (Carlos Gabas), Secretaria-Geral da Presidência (Miguel Rossetto), do Planejamento (Nelson Barbosa), em São Paulo.

Para Álvaro Egea, da CSB, não é possível o Brasil seguir no caminho do desemprego. “é o que a presidente faz com essa política que estão implementando. É uma contradição muito grande. A presidente precisa vir a público porque o Levy [ministro da Fazenda] disse que o seguro-desemprego é obsoleto e o próprio Rossetto [Miguel Rossetto] desmentiu seu colega. Para o Levy dizer isso ele teria de propor uma alternativa. Com recessão e desemprego não se fortalece a economia. A Grécia mesmo provou ontem que isso não dá certo [o país europeu elegeu no domingo, 25, o primeiro-ministro Alexis Tsipras, que tem foco na retirada das medidas de austeridade. 25% da população grega está desempregada e o país luta desde 2008 para pagar dívida de € 321 bilhões, ou R$ 939 milhões].

A Força Sindical prepara uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) para derrubar as Medidas Provisórias. A informação é do presidente da Força Sindical, Miguel Torres, que afirma que a entidade está finalizando uma peça jurídica para pedir a suspensão imediata das medidas anunciadas.

“As MPs são inconstitucionais porque retiram direitos já conquistados pela classe trabalhadora. Elas representam um retrocesso no direito trabalhista. Falar em readequações, como fala o governo, é enganar. São perdas de direitos”, diz Torres.

Entenda as mudanças propostas pelas MPs

O auxílio-doença foi alterado pela Medida Provisória número 664. “Antes, quando um funcionário tinha alguma doença incapacitante e pedia afastamento da empresa, a empresa realizava o pagamento durante os primeiros 15 dias e, a partir do 16º dia, os vencimentos eram custeados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), explica a advogada especialista em Direito Previdenciário Sara Tavares Quental, do Crivelli Advogados Associados.

O empregador passa a ser responsável pelo pagamento dos primeiros 30 dias, sendo a Previdência Social encarregada pelo segurado a partir do 31º dia. “Agora, o segurado tem 45 dias para dar entrada. Se ele dá entrada nesse prazo, o benefício passa a ser contado a partir dos 31º dia, tem data de início, para fins de pagamento. Se ele der entrada a partir do 46º dia, esse benefício, terá validade a partir do do requerimento no INSS, o que o leva a ficar sem receber do 31º até o 46º dia, quando o INSS assume o pagamento.”

No caso do abono salarial, a alteração foi feita na MP 665. A carência para ter direito ao benefício será elevada de um mês para seis meses ininterruptos de trabalho. O pagamento será proporcional ao tempo trabalhado no ano base, como ocorre com o pagamento proporcional do 13º salário.

Já sobre o seguro-desemprego, o governo elevou o período de carência de seis para 18 meses na primeira solicitação e para 12 meses na segunda solicitação. A partir daí, volta a valer a carência de seis meses. O seguro-desemprego também foi alterado pela MP 665.

Fonte: IG

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"