Brics1-e1405022023262

Brics abrem ciclo de reuniões com crescimento inclusivo no debate

O tema desta sexta cúpula será “Brics – crescimento inclusivo: soluções sustentáveis”

O Brasil sediará, nos dias 15 e 16 de julho, a 6° Cúpula dos Brics. O evento que acontece em Fortaleza é a segunda cúpula ocorrida no país e abre um novo ciclo; a cada ano um dos países do grupo sedia a reunião.

O subsecretário-geral político do Ministério das Relações Exteriores, embaixador José Alfredo Graça Lima, explica as vantagens de uma reunião não institucionalizada dos países.

“O agrupamento Brics é uma novidade dentro dessa nova ordem que está se montando desde 2009. Com a crise econômica global, os Brics apareceram primeiro como acrônimo, um simples acrônimo, uma ideia que acabou resultando, acabou implicando, na necessidade desses cinco países com grande território, com população vasta e com desafios em comum, se juntarem para poder constituir, como de fato está acontecendo depois de cinco cúpulas, num ator com representatividade, com legitimidade e com propostas novas e construtivas, inclusivas. Esse baixo grau de institucionalidade que o Brics tem, no fundo, é uma vantagem que permitiria aos líderes dos cinco países uma grande liberdade para poder, instigados por suas políticas de melhor distribuição da renda com foco no aspecto social do crescimento, poder se coordenar e se consultar. É um mundo que vai se está tornando cada vez mais interdependente e em que, os países, esses, têm uma história para contar e que tem, talvez, quem sabe, até um exemplo a ser seguido”, explica Graça Lima.

O tema desta sexta cúpula será “Brics – crescimento inclusivo: soluções sustentáveis”. O embaixador explicou ontem, no Centro Aberto de Mídia do Rio de Janeiro, o debate que ocorrerá na 6ª Cúpula dos Brics, em Fortaleza.

“O foco da participação do Brics está na responsabilidade em uma ordem mais justa, não para ter mais poder. Nos dias de hoje não é importante apenas crescer, é preciso crescer com melhor distribuição da renda, e é disso que estamos justamente tratando na 6ª Cúpula do Brics”, pontuou.

Entenda o que são os Brics

A ideia dos Brics foi formulada pelo economista-chefe da Goldman Sachs, Jim O’Neil, em estudo de 2001, intitulado “Building Better Global Economic Brics”. Fixou-se como categoria da análise nos meios econômico-financeiros, empresariais, acadêmicos e de comunicação. Em 2006, o conceito deu origem ao agrupamento, propriamente dito, incorporado à política externa de Brasil, Rússia, Índia e China. Em 2011, por ocasião da 3ª Cúpula, a África do Sul passou a fazer parte do agrupamento, que adotou a sigla Brics.

Em síntese, o Brics abre para seus cinco membros espaço para diálogo, identificação de convergências e acordos em relação a diversos temas; e ampliação de contatos e cooperação em setores específicos.

Fonte: Blog do Planalto

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra