Central dos Sindicatos Brasileiros

CSB participa de ato em defesa da Justiça do Trabalho

CSB participa de ato em defesa da Justiça do Trabalho

Entidade esteve presente em pelo menos três estados; Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Pará

A segunda-feira (21) foi marcada por atos em defesa da Justiça do Trabalho em diversos estados do País. A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) esteve presente em pelo menos três desses atos, que aconteceram no Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Pará, em protesto contra a ameaça de desmonte sinalizada pela gestão de Jair Bolsonaro.

Em Porto Alegre, a manifestação, convocada pela Associação Gaúcha dos Advogados Trabalhista (Agetra), aconteceu em frente ao TRT da 4ª Região, em Porto Alegre (RS) e contou com a participação das outras entidades sindicais.

A Seccional Rio Grande do Sul da CSB foi representada pelo seu secretário-geral, Luciano dos Santos, que acredita na necessidade de resistir aos retrocessos. “Nós precisamos demonstrar resistência contra todo este desmonte de direitos que está acontecendo. Primeiro foi a questão da reforma trabalhista, depois todo assédio contra os servidores, os colocando como culpados por toda a crise, depois a extinção do Ministério do Trabalho e agora a Justiça do Trabalho. Onde vamos chegar? ”, questionou o dirigente gaúcho, reafirmando a necessidade de resistência.

“Aqui em Porto Alegre foi um ato muito importante, a CSB esteve presente dizendo que vamos resistir, temos que lutar contra o fim e unir todos aqueles que acreditam que a Justiça do Trabalho é importante e que ela realiza um trabalho justo em prol dos direitos que o trabalhador”, disse.

Além das entidades sindicais, o ato também contou com a presença de associações de magistrados, como da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (ANAMATRA), representada pelo seu diretor de Prerrogativas e Assuntos Jurídicos, Luis Antonio Colussi, que garantiu que a função da entidade é demonstrar a importância da Justiça do Trabalho para a sociedade brasileira, principalmente para todos que necessitam dela.

“A Justiça do Trabalho ainda é essencial em nosso País em razão do grande déficit que há no equilíbrio das relações entre o capital e trabalho. Por essa razão, nós achamos fundamental a manutenção dela. Ela se faz necessária, ela é importante no dia a dia, na solução dos conflitos entre capital e trabalho, pacificando as relações laborais. Isso sem contar que ela concretiza, implementa e faz cumprir os direitos sociais estabelecidos na Constituição de 88”, declarou Colussi.

Segundo o presidente da Associação Gaúcha dos Advogados Trabalhistas (AGETRA), João Vicente Silva Araújo, a entidade também nasceu para defender os direitos sociais e trabalhistas. “O que pulsa na veia da Agetra, desde a sua fundação, é a defesa dos direitos sociais, dos direitos dos trabalhadores e, sobretudo, a defesa da Justiça do Trabalho. A Agetra jamais vai se curvar a essas atrocidades cometidas por este governo, que foi eleito democraticamente, mas que representa um projeto fascista”, comentou.

Minas Gerais

Em Minas Gerais, o ato, realizado em frente à Justiça do Trabalho, na cidade de Juiz de Fora, contou com a participação da Seccional do estado, representada pelo seu presidente, Cosme Nogueira, que acredita que a luta é um dever de todos.

“Lutar com todas as forças na defesa dessas entidades sérias é um dever de todos os brasileiros. Jamais poderemos imaginar um Brasil mais justo sem a Justiça do Trabalho”, falou o dirigente.

 Pará

Na capital Paraense, entidades sindicais e associações de magistrados também organizaram um ato em frente ao TRT 8, na Praça Brasil, em Belém. O ato contou com a presença de sindicatos filiados à CSB.

 

Be Sociable, Share!