Derrota na Eletrobras pode ser início do fim do governo, diz Tebet

A líder da bancada feminina no Senado, Simone Tebet (MDB-MS), disse em entrevista ao Poder360 que a MP (Medida Provisória) da capitalização da Eletrobras “desagrada todo mundo” e que o governo terá dificuldade para conseguir os votos necessários para aprovar a proposta. O texto ainda não tem relatório divulgado e está com a votação marcada para esta 4ª feira (15.jun.2021).

“Há muito tempo que eu não via uma MP que desagradava todo mundo. A MP da Eletrobras desagrada quem quer participar da capitalização, que são os investidores que querem ser sócios da Eletrobras. Desagradou o setor produtivo, principalmente a indústria, que vai pagar muito por uma energia mais cara e vai ter que inflacionar os produtos.”

A MP já foi aprovada na Câmara e tem até 22 de junho para ser aprovada também pelo Senado, caso contrário seus efeitos se perdem. As bancadas da Casa Alta, entretanto, divergem sobre o que apoiar no texto.

Tebet diz que, mesmo com a dificuldade do governo em tentar aprovar o texto, ainda pode conseguir essa vitória para o Planalto. Os senadores podem ser convencidos de que a Câmara aprovará as mudanças sugeridas e acatadas.

O relator Marcos Rogério (DEM-RO) disse nesta 3ª (15.jun) que está em fase final de ouvir as sugestões dos senadores. Deve acatar a maioria das emendas propostas, mas manter a “espinha dorsal” do texto da Câmara.

O anúncio foi feito ao lado do relator na Casa Baixa, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA). Este, por sua vez, disse que não vê problemas para “ratificar todas as modificações” feitas pelo Senado.

Quem é contra tenta alertar aos senadores a votar para rejeitar. Não há garantia de que os deputados vão aprovar essas alterações. Eles podem ignorar todas se quiserem e enviar à sanção o texto igual ao previamente aprovado na Câmara.

“Hoje a gente tem que derrotar no voto. Não é fácil, mas a votação vai ser grande. Não adianta apresentar as emendas, as emendas serem lindas e maravilhosas, as emendas podem fazer com que a medida provisória volte a ser igualzinho texto do governo, mas a gente não pode acreditar que a câmera vai acatar mesmo com a palavra de que vai.”

Para a líder da bancada feminina, se o projeto for derrotado no plenário do Senado seria “o início do fim” do governo federal, que defende uma bandeira mais liberal e com um Estado menor. Por isso Tebet diz que o governo fará de tudo para garantir a aprovação.

“Eu acho que por muito pouco, mas eu acho que que o governo é capaz de conseguir. Porque agora é o tudo ou nada, o governo não tem saída. Ele aprova nem que seja à base de ouro essa medida provisória porque ele sabe que pode ser o início do fim do governo”, declarou.

Fonte: Poder 360

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)