Central dos Sindicatos Brasileiros

CSB debate reforma trabalhista em mesa redonda de preparação para seminário do Fórum Intersindical no RJ

CSB debate reforma trabalhista em mesa redonda de preparação para seminário do Fórum Intersindical no RJ

Evento será realizado em julho e pretende encaminhar propostas a presidenciáveis

Dirigentes da CSB estiveram presentes na mesa redonda de preparação da coordenação do 7º Seminário do Fórum Intersindical do Leste Fluminense. A reunião, realizada na última quarta-feira (23), na sede do Sindicato dos Empregados de Edifícios de Niterói, teve como pauta os temas que serão tratados no seminário, como os impactos da reforma trabalhista.

Na avaliação da vice-presidente da CSB, Lygia Sampaio, a retirada do financiamento sindical feita pela nova legislação já enfraqueceu as entidades. “Tem sindicatos que estão fechando as portas. A contribuição é compulsória porque é um tributo. O tributo é compulsório”, afirmou. A dirigente reforçou que o sindicato traz inúmeros benefícios aos trabalhadores e que sem a verba será muito difícil continuar o trabalho.

Para a Lygia, o afastamento do sindicato do processo de demissão foi um dos piores pontos da reforma. “Na homologação, o trabalhador tinha uma proteção do sindicato, o sindicato fazia a ressalva de valores para que fosse possível ir à Justiça. Sem a homologação, e o trabalhador não tendo consciência dos direitos dele, quem vai alertá-lo?”, questionou.

Os presentes também debateram o caderno de proposições que será criado ao final do seminário. O objetivo é que o documento seja encaminhado aos presidenciáveis e aos pré-candidatos de cada estado. “Há necessidade que se tome uma atitude o mais rápido possível, e a nossa esperança é um novo presidente da República que entenda essa situação e que queria ajudar. Sem o sindicato dos trabalhadores, não há equilíbrio”, frisou.

Como explicou um dos coordenadores do Fórum, o secretário de Relações Internacionais da CSB Rio de Janeiro, Jose Juvino da Silva Filho, durante o seminário, que ainda não tem data definida, “uma equipe de estudiosos ligados à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) irá falar tecnicamente do que aconteceu do lado do trabalho, com o patronal e com o mercado do trabalho com a aprovação da reforma trabalhista”, frisou.

A Seccional RJ também foi representada pela presidente, Maria Bárbara da Costa, e pelo secretário dos Profissionais Liberais, Magno Pacheco De Andrade. O 6º seminário foi prestigiado por 27 sindicatos, totalizando 100 pessoas presentes.

O Fórum
Criado em 2005, o Fórum Intersindical do Leste Fluminense reúne 17 cidades e é apartidário. “Já realizamos diversas audiências públicas sobre moradia e transporte público”, falou Jose Juvino Filho.

Compartilhe!