Central dos Sindicatos Brasileiros

Com ajuda de especialista, sindicatos de Uberaba definem contraproposta para impasse no IPSERV

Com ajuda de especialista, sindicatos de Uberaba definem contraproposta para impasse no IPSERV

Uma palestra, a cargo do professor Luiz Cláudio Kogut e realizada na manhã desta quarta-feira (28 ), sacramentou a contraproposta dos sindicatos de Uberaba acerca do impasse criado em torno do IPSERV – O Instituto de Previdência dos servidores. Participaram dirigentes dos sindicatos dos Servidores Públicos Municipais (SSPMU), dos Educadores Municipais (SINDEMU) e dos Trabalhadores da Indústria de Purificação e Distribuição de Água e dos Serviços de Esgoto de Uberaba (SINDAE), além de representantes do IPSERV.

Também presente na reunião, o presidente da FESERP-MG, Cosme Nogueira, elogiou a iniciativa conjunta dos três sindicatos. “Apresentar propostas consistentes através de trabalho elaborado por profissional gabaritado eleva o debate”, disse. “Essa união das três entidades que defendem o funcionalismo, na busca de soluções e na contratação de um serviço de qualidade, vai trazer bons resultados”, concordou o presidente do SINDAE, Jasminor Francisco da Costa.

O impasse em torno da alíquota previdenciária vem se arrastando há meses, já que a Administração municipal quer um reajuste na contribuição do funcionalismo ao IPSERV, de 11% para 14% – medida que os sindicatos não concordam -, para resolver o déficit financeiro e atuarial do Instituto. “Os gestores municipais sempre acham que a conta tem que ser dividida com os trabalhadores, mesmo quando esses trabalhadores não têm culpa nenhuma no ocorrido”, protestou o presidente do SINDEMU, Bruno Ferreira da Silva.

A palestra desta quarta-feira foi a conclusão do trabalho da Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial, de Curitiba (PR), contratada para estudar o problema. “Foi feito um diagnóstico, estudos sobre os efeitos da medida e elaborada uma contraproposta sobre a situação previdenciária em Uberaba. Há alternativas para alcançar o equilíbrio financeiro do IPSERV”, observou o palestrante Luiz Cláudio Kogut.

Essa contraproposta, de acordo com o presidente do SSPMU, Luis Carlos dos Santos, mantém a alíquota em 11%, não penalizando o servidor, e em contrapartida cria a paridade na contribuição entre os servidores admitidos antes de 1996 e os que exercem suas funções desde 2003 – ano da Lei que regulamentou o tema. “Estudamos cinco cenários e esse parece o mais apropriado. Nossa sugestão será protocolada na Prefeitura ainda esta semana”, disse o sindicalista.

Fonte: Feserp-MG

Compartilhe!