Central dos Sindicatos Brasileiros

Sindicatos de São Paulo participam de intensivo de comunicação sindical nas mídias sociais

Sindicatos de São Paulo participam de intensivo de comunicação sindical nas mídias sociais

Por meio da criação de uma rede de comunicação integrada, projeto piloto visa aperfeiçoar a produção de conteúdo para a aproximação das entidades junto aos trabalhadores

Nesta segunda-feira, 13, representantes de sindicatos filiados à CSB em São Paulo participaram de um dia de formação ministrado pelo historiador e mestrando em educação Márcio Carvalho. Realizado na sede do Sindpd, em São Paulo, o debate foi voltado para a utilização das redes sociais como canal de diálogo entre entidades sindicais e trabalhadores.

Por meio da troca de experiências, da formação e da qualificação dos dirigentes, a CSB pretende dar voz e fortalecer as representações sindicais. Formar líderes engajados e aptos a defenderem a classe trabalhadora é um compromisso da Central, para que a sociedade esteja atenta à nova realidade trazida pela reforma trabalhista. Ao apresentar o projeto piloto da CSB – que pretende aprimorar a iniciativa para que esta seja mais uma ferramenta de capacitação das bases –, o secretário de Comunicação da Entidade, Alessandro Rodrigues, mostrou um estudo do IBGE que aponta a relação da sociedade com os sindicatos.

De acordo com a pesquisa, do total de 94,4 milhões de trabalhadores no Brasil, 18,4 milhões são sindicalizados – o que corresponde a 19,5% da classe trabalhadora. Os dados foram retirados do suplemento Aspectos das Relações de Trabalho e Sindicalização, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2015.O número é o maior percentual desde 2004. No entanto, a participação dos associados ainda é baixa: 79,1% não usavam os serviços oferecidos pelas entidades e 81,2% não iam às atividades promovidas.

“Os resultados dos cursos mostram que a CSB está no caminho certo. Precisamos trocar experiências, ouvir as dificuldades, encontrar caminhos e traçar estratégias de forma conjunta. Desta maneira conseguiremos aumentar a participação dos trabalhadores nos sindicatos, atender às necessidades e esclarecer as dúvidas”, afirmou Rodrigues.

“O nosso diferencial político sindical é entender profundamente o que o Brasil está vivendo. É preciso entender para criar empatia e dialogar de modo sensato. O momento é de fortalecimento dos sindicatos”, corroborou Márcio Carvalho no início de sua apresentação. Para aperfeiçoar a produção de conteúdo, o historiador propôs aos participantes a criação uma rede de comunicação integrada entre os sindicatos da base, um ambiente digital de convergência de interesses.

Mídias sociais na organização dos trabalhadores

O Digital in 2017 Global Overview, um estudo realizado pelas agências We Are Social e Hootsuit, aponta 139 milhões de internautas no País. Dentre os brasileiros, 58% utilizam as mídias sociais. Para atingir o maior número de internautas, é preciso se comunicar com sentimentos e valores, orientou o palestrante.

Conteúdos diferenciados como charges, vídeos e tirinhas são algumas das maneiras de iniciar uma discussão sobre assuntos mais densos. Márcio Carvalho esclarece que o humor pode ser a porta de entrada nas mídias sociais. Mas enfatiza que é preciso oferecer, ainda, uma outra plataforma que aprofunde o tema. O monitoramento das mídias também é essencial, pois sai do conhecimento experimental (prático) e vai para o mundo teórico, criando perspectivas do que pode acontecer no futuro.

Carvalho apresentou algumas técnicas para aprimorar o uso das mídias sociais pelos sindicatos. Sob duas perspectivas diferentes, uma utilizada para comunicar e a outra para fortalecer a organização, é preciso seguir cinco princípios fundamentais do conteúdo web: simplicidade, utilidade, inovação, verdade e envolvimento.

Na prática, o projeto precisa promover a integração entre as redes, adaptando o conteúdo para as mais diferentes mídias – Facebook, Twitter, Whatsapp, entre outras. Planejar uma agenda de mobilizações bimensais e avaliar o engajamento do público também é fundamental para transformar a comunicação de um sindicato.

Paulo de Oliveira, presidente do SEAAC de Presidente Prudente, participou da formação. Para o 1º secretário de Organização e Mobilização da CSB, desenvolver e qualificar os dirigentes sindicais é fundamental. “Muitos ainda não veem a comunicação como fator primordial para os trabalhadores. Precisamos mudar a nossa mente e entender que é importante. Por falta desse desenvolvimento, tem-se também a falta de engajamento. Melhorar a comunicação é um exercício essencial para a CSB contribuir com o movimento sindical”, analisou.

Representantes de outras entidades participaram do dia de formação realizado em São Paulo. São elas: Sindicato dos Metalúrgicos de Itatiba e Região, Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Sindcont-SP), Sindicato dos Empregados Domésticos de Araçatuba e Região, Sindicato dos Empregados de Cooperativas Médicas no Estado de São Paulo (SECMESP), Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino e Educação de Rio Claro e Região (SINTEEE), e Federação dos Empregados Rurais Assalariados do Estado de São Paulo (FERAESP).

Márcio Carvalho foi um dos palestrantes do Congresso da CSB em São Paulo. Para assistir à apresentação completa, clique aqui.

 

Compartilhe!