bf6d3db0-8822-4d87-ae56-e69ebfe84675

Servidores voltam a protestar contra a aprovação do PLP 257

Dirigentes da CSB estão em Brasília em uma agenda de mobilização contrária ao projeto que retira direitos dos trabalhadores do setor público

A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) iniciou nesta segunda-feira (08/08) uma nova agenda de mobilização contra a aprovação do Projeto de Lei Complementar (PLP) 257, que está na pauta de votações da Câmara dos Deputados. O projeto, criado para renegociar as dívidas dos estados e do Distrito Federal com a União, prevê como contrapartida a retirada de uma série de direitos dos trabalhadores do setor público.

Na manhã desta segunda-feira, dirigentes da CSB, acompanhados de servidores públicos, estiveram no Aeroporto Internacional de Brasília para mais um ato contrário ao PLP. Os manifestantes abordaram os deputados federais que chegavam à capital do País, na tentativa de pressioná-los contra a aprovação do projeto.

No período da tarde, a articulação continuará na Câmara dos Deputados, onde está prevista uma sessão para a votação do PLP a partir das 16h. Representantes da CSB e de entidades sindicais filiadas à Central planejam acompanhar a votação no plenário da Câmara e ampliar o corpo a corpo com os deputados nos corredores do Congresso.

Esta é a segunda semana consecutiva de mobilização da CSB contra o PLP 257. Na semana passada, a pressão exercida pela Central, ao lado dos trabalhadores e de outras instituições sindicais, garantiu o adiamento da votação do projeto.

“Foi um passo importante na defesa dos servidores públicos de todo o País, mas vamos permanecer firmes. Em todas as crises surgem tentativas de penalizar os trabalhadores e de retirar direitos que foram conquistados com muito esforço. Não podemos recuar”, afirma o presidente da CSB, Antonio Neto.

Sobre o PLP

Apresentado pelo governo federal em março deste ano, o PLP 257 tem como objetivo a renegociação das dívidas dos estados e do Distrito Federal com a União, ampliando em mais 20 anos os prazos para pagamento dos débitos.

O texto da proposta, no entanto, transfere para as costas dos servidores públicos todo o ônus desse refinanciamento. O projeto prevê o congelamento de salários por dois anos, a paralisação de concursos públicos, a ampliação da contribuição previdenciária por parte dos trabalhadores e ainda a possibilidade de privatização de serviços.

Além de causar danos a um universo de profissionais, o sucateamento do setor público também atingirá toda a sociedade brasileira, que depende diretamente de serviços que são prestados pelos trabalhadores em seu dia a dia.

Para mais informações e entrevistas com os dirigentes da CSB:

Imprensa | CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros)

Tel: (11) 3823-5600 – Ramal – 5310

Cel: (11) 9 9518-8109

http://www.csbbrasil.org.br

 

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra