tim-1

Taxa média de desemprego sobe em 2017 e é a maior desde 2012, diz IBGE

A taxa média de desemprego anual no Brasil subiu de 11,5% em 2016 para 12,7% em 2017, a maior da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

No pico de 2017, a taxa chegou a 13,7%, no primeiro trimestre.

De 2014, quando a taxa de desocupação atingiu o menor patamar (6,8%), para 2017, são quase 6,5 milhões de desempregados a mais, um aumento de 96,2%. Hoje, o país tem 13,2 milhões de pessoas sem emprego.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (31) e fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua.

Informalidade

Uma proporção significativa dos empregos perdidos desde 2014 tinha carteira assinada, segundo o IBGE.

“Em três anos, perdemos 3,3 milhões de postos de trabalho com carteira”, Cimar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do IBGE

Desses 3,3 milhões de vagas formais, quase um milhão fechou de 2016 para 2017.

Por outro lado, a informalidade subiu. Em 2017, o número de trabalhadores sem carteira assinada cresceu 5,5% na comparação com o ano anterior. São 560 mil trabalhadores a mais.

Já o número de trabalhadores por conta própria cresceu 0,7% no último ano, um total de 159 mil pessoas.

Venda de comida é ‘válvula de escape’

Setores importantes da economia, a agricultura, a indústria e a construção foram os que mais perderam postos de trabalho. “Nesses 3 anos, a queda na agricultura foi de 10,4%, na indústria, de 11,5%, e na construção, de 12,3%”, afirma Azeredo.

Uma parte dessa perda foi compensada pela abertura de vagas em setores mais ligados à informalidade, como comércio e alimentação.

De fato, de 2014 para 2017 houve aumento de 0,5% no número de trabalhadores no comércio. No ramo de serviços de alojamento e alimentação a alta foi bem maior, de 21,4%.

Esse bom desempenho ocorreu, de acordo com o IBGE, porque, durante períodos de crise, os serviços de alimentação funcionam como uma espécie de válvula de escape.

“Você pode ficar sem comprar, sem viajar, sem reformar a casa, mas sempre terá que se alimentar. Por isso, quando as pessoas ficam sem emprego, migram para esse setor, pois é nele que se abrem oportunidades” Cimar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do IBGE

Desemprego caiu no 4º trimestre

Apesar da taxa média recorde no ano, o desemprego caiu quando se considera apenas o quarto trimestre.

Nos últimos três meses do ano, a taxa foi de 11,8%, em média, o que representa queda em relação ao terceiro trimestre (12,4%) e na comparação com o quarto trimestre de 2016 (12%). Nesse último caso, o IBGE considera que houve estabilidade.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada (33,3 milhões) ficou estável em relação ao terceiro trimestre e recuou 2% (menos 685 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2016.

O número de empregados sem carteira de trabalho assinada (11,1 milhões de pessoas) apresentou estabilidade em relação ao trimestre anterior e subiu 5,7% (mais 598 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2016.

Trabalho por conta própria

A categoria dos trabalhadores por conta própria (23,2 milhões de pessoas) cresceu 1,3% na comparação com o trimestre anterior (mais 288 mil pessoas). Em relação ao mesmo período de 2016, houve alta de 4,8% (mais 1,1 milhão de pessoas).

Emprego doméstico

O número de trabalhadores domésticos (6,4 milhões de pessoas) cresceu 3,1% do terceiro para o quatro trimestre de 017. Em relação ao mesmo período do ano anterior, houve alta de 4,3%, ou seja, mais 262 mil pessoas.

População ocupada

O número de pessoas com trabalho foi de 92,1 milhões nos últimos três meses do ano, aumento de 0,9% em relação aos três meses anteriores, ou 811 mil pessoas a mais. Em um ano, o total de trabalhadores subiu 2%.

Rendimento

O rendimento real (já descontada a inflação) do trabalhador ficou, em média, em R$ 2.154. Segundo o IBGE, o valor teve estabilidade em relação ao trimestre anterior, de junho a agosto (R$ 2.122). No mesmo período de 2016, o rendimento real foi de R$ 2.120.

Metodologia da pesquisa

Os dados fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua. São pesquisadas 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios.

O IBGE considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados.

Fonte: UOL

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra