image001-e1349275943947

Nossa luta é para ampliar os direitos trabalhistas

A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), entidade que já congrega mais de 350 sindicatos e 20 federações, conclama os sindicatos do país a empreender uma profunda unidade em defesa dos direitos trabalhistas (CLT), da unicidade sindical e do fortalecimento e sustentação das entidades.

A campanha para flexibilizar os direitos trabalhistas, estabelecendo a supremacia do acordado sobre o legislado; o enfraquecimento dos sindicatos com a asfixia financeira e o bombardeio da unicidade sindical faz parte da mesma ideologia neoliberal que trouxe muita infelicidade para o povo brasileiro na década de 90.

A história do Brasil mostra uma relação direta entre a melhoria da vida do povo e  o respeito às leis de proteção trabalhista. Após a Revolução de 1930, o Brasil começou a criar as leis básicas que limitavam a exploração do capital sobre o trabalho. Entre 1930 e 1980 o Brasil cresceu a uma média de 7% ao ano. Neste período, o Salário Mínimo  atingiu o patamar de R$ 1.800,00. Igualmente cresceu a organização sindical dos  trabalhadores  com base nos princípios da unicidade sindical e  no  respeito aos direitos trabalhistas.

Com a implantação do regime neoliberal este movimento se inverteu. O conceito de desregulamentação do Estado, as privatizações e as “fórmulas” de flexibilização dos direitos, tais como a terceirização predatória, o Fator Previdenciário, e as cooperativas fraudulentas, espalharam a miséria e desemprego. O salário mínimo atingiu um dos menores patamares da história, a economia estagnou e a desigualdade imperou. A situação só não foi mais drástica porque impedimos que a “flexibilização” avançasse no Congresso Nacional.

Com a eleição do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o movimento sindical voltou a ter um papel de destaque, inclusive na formulação de políticas de Estado. Enterramos a falácia da flexibilização, o Estado voltou a ser estruturado. Criamos uma política de recuperação do salário mínimo, promovendo o fortalecimento do mercado interno e da economia. Crescemos de forma substancial, passamos a gerar empregos. Os sindicatos passaram a conquistar novos avanços nas negociações coletivas e a renda voltou a se recuperar. Tudo sem cortar nenhum direito, pelo contrário.  Pela primeira vez na história do pais as centrais sindicas foram  reconhecidas por lei,  conquistaram uma fonte de   financiamento  com dinheiro do trabalhador  e passaram a ter direito de participar   dos colegiados  governamentais  onde se discutem as  políticas públicas  de interesse dos trabalhadores.

Não há dúvida que a legislação de proteção aos direitos trabalhistas é fundamental para o bem estar do povo. Leis foram criadas para punir os exploradores,  pois a existência da humanidade foi baseada nestes patamares, impondo limites para evitar que os mais fortes explorem e submetam os menos favorecidos. Mesmo com a lei, todos os anos são descobertos dezenas de casos de trabalho análogo à escravidão, exploração de trabalho infantil e milhares de processos são protocolados na Justiça do Trabalho por conta  do não cumprimento dos direitos  previstos   em lei.

Jean-Baptiste-Henri Lacordaire nos ensinou que “entre o forte e o fraco, entre o rico e o pobre, entre o patrão e o operário, é a liberdade que oprime e, a lei que liberta”. A lei existe para proteger o trabalhador.

Precisamos sim modernizar o sistema produtivo brasileiro. Mas isso é resultado de investimentos em educação, da inovação tecnológica, da valorização e qualificação dos trabalhadores. Flexibilizar direitos, precarizar a relação trabalhista é exploração. Não existe nada de moderno nisso.

A CSB defende a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais. Defende a livre organização sindical no local de trabalho. Isso é um direito constitucional, não é negociável. Defendemos a aprovação da Convenção 158 da OIT para diminuir a demissão imotivada e o aumento da tributação dos setores que promovem a rotatividade da mão de obra para diminuir salários. Defendemos que os recursos do FGTS e do FAT sirvam para qualificar o trabalhador e não para ser injetado em montadoras internacionais, que sugam o país para remeter lucros a suas matrizes em crise.

Lutamos pelo fim do fator previdenciário e pela recuperação das aposentadorias. Precisamos rever a Lei que regulamenta as cooperativas e pavimentou o caminho para a precarização. Vamos unir nossas forças para defender a unicidade sindical, a contribuição compulsória e para dar um basta na ingerência do Estado na livre organização dos trabalhadores, como ocorre com a perseguição de setores do Ministério Público do Trabalho aos sindicatos. Vamos dar um basta nas práticas antissindicais, no interdito proibitório e lutar pela revogação do Precedente 119 do TST.

Estas são as bandeiras dos trabalhadores. Vamos à luta para ampliar direitos.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra