Governo libera verbas a deputados que votarem a favor da reforma da Previdência Social

CSB ampliará a mobilização contra a PEC 287 e a reforma trabalhista, e engajará a população a não reeleger os parlamentares que votarem contra os trabalhadores

Para tentar conter qualquer reação da Câmara dos Deputados que impeça a aprovação da reforma da Previdência Social, o governo federal iniciou mais uma série de ataques e estratégias contra os direitos dos trabalhadores. Em reunião com os ministros, nesta segunda-feira (8), foi determinado que 330 parlamentares comprometidos a votar a favor do retrocesso sejam beneficiados pela liberação de verbas da União nas próximas três semanas. A tática é outra manobra do governo para conseguir o apoio dos 308 deputados necessários à aprovação da reforma na Casa.

Segundo o  jornal Folha de S. Paulo, em meio a uma incontestável crise econômica, cerca de R$ 1,9 bilhão (R$ 6 milhões para cada um) serão destinados às obras e projetos nas bases eleitorais desses deputados por meio das emendas parlamentares. O único objetivo é garantir a legitimação da Proposta de Emenda à Constituição 287, que acabará com a aposentadoria em idade e tempo de contribuição dignos a homens e mulheres, trabalhadores urbanos e rurais e dos setores públicos e privados.

Além disso, parlamentares que se posicionaram a favor da classe trabalhadora na apreciação da matéria sobre a reforma trabalhista, na Câmara, estão sendo alvos de represálias do governo com a demissão dos seus indicados a cargos nos órgãos federais e estatais. Para a CSB, ambas práticas de uma verdadeira versão da captação ilícita de sufrágio, a chamada compra de votos, dentro do próprio Congresso Nacional sob a justificativa de “salvar” a Previdência de um suposto déficit de R$ 151,9 bilhões – contestado por um superávit de R$ 500 bilhões nos últimos dez anos registrados na Seguridade Social.

Já perderam indicados os deputados Antônio Jácome (PTN/RN), Deley (PTB/RJ), Ronaldo Fonseca (PROS/DF) e Ulderico Junior (PV/BA) nas Indústrias Nucleares do Brasil (INBS), na Fundação Nacional de Saúde (Funasa), no Arquivo Nacional e no Ibama. Superintendentes do Departamento Nacional de Produção Mineral de Rio de Janeiro, Alagoas e Rio Grande do Norte; do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) também já tiveram suas exonerações publicadas no Diário Oficial da União.

Apresentada em dezembro de 2016 e mesmo após as modificações do relator da PEC, deputado Arthur Maia (PPS/BA), em abril deste ano, a reforma ainda pretende estabelecer uma idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 para mulheres; o acesso a 100% do benefício após 40 anos de contribuição; recolhimento de modo individual definido em lei para todos os trabalhadores rurais de economia familiar; fim da aposentadoria especial para profissionais da segurança pública e professores e equiparação de regras entre trabalhadores de empresas privadas e servidores – critérios que não incluem os militares e as pensões às suas famílias, responsáveis por um rombo de R$ 17,2 bilhões aos cofres públicos só no ano passado, e o fim às desonerações e renúncias de receitas pertencentes ao orçamento da Seguridade Social, que somaram R$ 157 bilhões em 2015 de acordo com a ANFIP.

Na pesquisa, a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil ainda alerta que no mesmo ano R$ 502 bilhões do orçamento da União foram utilizados para o pagamento dos juros da dívida (R$ 66 bilhões a mais do que foi destinado à Previdência) e R$ 63 bilhões foram desvinculados da receita do País por meio da DRU.

Publicidade e compromisso

O ralo do orçamento do governo federal torna-se maior quando somados os gastos com publicidade. Segundo dados da Execução Contratual de Publicidade, da Secretaria Especial de Comunicação Social (SECOM), em 2016 foram destinados R$ 152.916.551 milhões para propagandas do Poder Executivo Nacional em televisões, rádios e veículos impressos do País e internacionais.

Apenas no mês de dezembro, R$ 27,1 milhões foram gastos com publicidade a respeito da reforma da Previdência. O valor é parte de um pacote de propagandas federais que custaram aos cofres públicos R$ 54,1 milhões, valor que poderia ter sido utilizado na construção de 1080 casas populares ou na compra de 648 ambulâncias de acordo com a ferramenta “De real para realidade” do Estadão.

Já em 2017, só em abril, foram escoados R$ 2.029.137 em valor líquido para propagandas no grupo Rádio e Televisão Record S.A. e R$ 6.845.006 para o grupo Globo Comunicação e Participações S/A e Rádio Globo de São Paulo – uma despesa inútil segundo a Central dos Sindicatos Brasileiros.

O povo brasileiro não precisa de propagandas que não revelem o verdadeiro objetivo dessas reformas. Com um grande enfrentamento, a CSB vai continuar mobilizando suas bases e os trabalhadores para lutar contra o retrocesso que representam as reformas trabalhista e da Previdência. Se os parlamentares insistirem em votar contra os trabalhadores, seus mandatos estarão com os dias contados pela própria população. Desta forma, é inócuo os parlamentares cederem às pressões do governo; eles devem trabalhar pelas necessidades e interesses da classe trabalhadora, daqueles que os elegeram. O Congresso Nacional precisa agir de maneira justa com o povo brasileiro, e não penalizar os mais pobres para manter as aposentadorias exorbitantes de magistrados, militares e do alto escalão do serviço público. Representarão a sociedade brasileira aqueles que atenderem à voz das ruas e se colocarem contra os projetos. Serão os compromissados com os trabalhadores que serão lembrados nas urnas.

Deputados ignoram o povo e acabam com a aposentadoria. Clique aqui e veja quem são.

E aqui para ver quem são os deputados que votaram contra os trabalhadores na reforma trabalhista

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)