mosaico

Desembargador do TRT garante que reforma trabalhista não revoga a CLT

Dirigentes de MG ainda debateram estratégias de negociação coletiva, assédio moral e oratória sindical durante o segundo dia de palestras do Congresso da CSB no estado

Palestrante do Congresso Estadual da CSB em Minas Gerais, o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-22) e professor da UFPI, Meton Marques, assegurou, nesta quinta-feira (14), a uma platéia de cerca de 200 sindicalistas que “a reforma trabalhista não revogou a CLT”. De acordo com a análise do jurista, a nova lei (13.467/2017) permanece ancorada ao artigo 9º da Consolidação das Leis do Trabalho, que atesta:

 “Serão nulos de pleno direito os atos praticados com o objetivo de desvirtuar, impedir ou fraudar a aplicação dos preceitos contidos na presente Consolidação”.

Em outras palavras, a estrutura e os princípios do direito do trabalho continuam preservados. Diante desta análise, segundo o professor, a aplicação da reforma a partir de 11 de novembro deve ser feita com base no código civil e na CLT, inclusive mantendo o respeito ao artigo 3º da legislação, que “considera empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual ao empregador, sob a dependência deste e mediante salário”.

“Aplicar a lei mais favorável ao trabalhador ainda está de pé, assim como o princípio de irrenunciabilidade. Nenhum trabalhador pode renunciar direitos mínimos. Que nem um autônomo cujo empregador exija dedicação exclusiva, isso caracteriza o vínculo empregatício. É a definição de emprego que está no artigo 3º da CLT. Não importa o que você escrever. A CLT define pelos fatos, expressos pelos atos”, afirma Marques, sem deixar de denunciar as ameaças de precarização do trabalho perpetradas pela reforma.

De acordo com o palestrante, a nova lei tem potencial de retroceder as condições de trabalho no Brasil aos tempos da escravidão, só que sem correntes. O agravamento da saúde dos trabalhadores e o aumento da ‘pejotização’ e da informalidade – realidade de 10,6 milhões de brasileiros sem carteira assinada no setor privado conforme dados do 2º trimestre de 2017, do IBGE – são algumas das possíveis conseqüências da reforma trabalhista.

“Em nome de uma subsistência, a reforma pode levar muitos trabalhadores à informalidade, pois a pessoa vai ser obrigada a trabalhar desse jeito e ainda se intitulando autônomo, sem nenhuma lei de proteção. Isso porque quando não se é empregado, não há proteção. E ainda há a ‘pejotização’, pela qual o empregador não pagará mais salário, ofertará prêmios. Só que prêmios não têm recolhimento do FGTS, INSS. E isso levará o trabalhador a não poder tirar férias, senão o seu pagamento não dará conta de suas despesas. O trabalhador não poderá mais ficar mais doente, porque os custos sairão do seu bolso”, alerta o desembargador, e acrescenta:

“A reforma trabalhista é uma cobra, que chega de fininho como quem não vai causar maior transtorno. Mas temos instrumentos para resistir. Eu acredito no sindicalismo, nos líderes sindicais e precisamos acreditar no direito como um instrumento de luta moderno.”

O posicionamento do jurista foi corroborado pelo também palestrante do Congresso Gérson Marques, procurador regional do Trabalho do Ceará (MPT/CE) e professor da UFC (Universidade Federal do Ceará). No palco do Congresso da CSB em Belo Horizonte (MG), Gérson apontou a negociação coletiva como uma das principais ferramentas para combater a precarização do trabalho após a aplicação da reforma trabalhista.

Segundo o procurador, apesar da inversão da pirâmide normativa causada pela prevalência do negociado sobre o legislado – que coloca os acordos individuais e coletivos acima da lei –, é possível superar as armadilhas desde que os acordos e convenções sejam bem negociados e redigidos e que haja consciência de que “a prevalência [dos acordos] não é absoluta”.

“Estamos em um momento de precarização. Temos uma batalha a construir no âmbito jurídico e até chegar lá, precisamos fazer um canal de diálogo junto às empresas. E este canal é aberto na hora de negociar. Por que as partes negociam? Porque existe uma proposta de ganhos recíprocos. Então, o que vai valer na mesa é a força de argumentação. Tem que saber argumentar e o sindicato tem de ser forte o suficiente para a empresa querer negociar para evitar uma paralisação. E a Constituição é um desses argumentos porque ela continua sendo suprema”, explica.

O mapeamento das cláusulas desejadas, essenciais, relevantes e secundárias de ambas as partes em união a uma postura de saber propor idéias e rejeitá-las no momento certo é outro ponto importante na defesa dos direitos trabalhistas. De acordo com Gérson, a estratégia colabora à identificação do que mais interessa ao empregador, para, assim, angariar confiança na conquista de mais direitos aos trabalhadores.

O procurador ainda listou mais três pontos importantes na negociação – relembrar que quem conduz a mesa é o dirigente sindical, focar a negociação em meio a uma crise econômica em cláusulas sociais e repetir proteções já previstas em lei no texto dos acordos e convenções por conta do negociado sobre o legislado – e finalizou a palestra com a seguinte mensagem:

“Não tenham medo dessa lei. Chegou a hora de tomar um banho com essa lei. Ela traz desafios, mas traz muitas aberturas para que possamos enfrentar esses desafios.”

Demais apresentações e downloads

Durante o dia, o mestre em comunicação pela UFRJ Carlos Conce e o advogado Dr. Clóvis Renato também palestraram sobre oratória sindical e assédio moral, respectivamente, aos sindicalistas e a um público de mais de 1.550 internautas conectados no facebook do presidente Antonio Neto e da CSB.

Acompanhe você também as nossas redes sociais!

Trabalhadores mais fortes são trabalhadores bem informados!

 

Veja abaixo a apresentação de cada palestrante:

Meton Marques – Reforma Trabalhista e Precarização do Trabalho:

Baixe aqui a palestra do desembargador do TRT-22 Meton Marques.

 

Gérson Marques – Negociação Coletiva:

E clique aqui para fazer o download da apresentação do procurador regional do Trabalho Gérson Marques.

 

Carlos Conce – Oratória Sindical:

Já para assistir à palestra do mestre em comunicação Carlos Conce, clique neste link.

E neste para acessar os slides da sua palestra.

 

Clóvis Renato – Assédio Moral:

Assista por aqui à palestra do advogado Dr. Clóvis Renato.

E faça o download da sua apresentação por meio deste link.

Veja a galeria de fotos do terceiro dia do Congresso Estadual de MG.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra