Chapa 1 busca vitória em eleição no Sindicato dos Vigilantes de Passo do Fundo e Região

Presidente da Chapa, Rodolfo Boita, quer um sindicato mais próximo dos trabalhadores

Com o afastamento do presidente, está prevista para 26 de julho a realização de eleições para a nova diretoria o Sindicato dos Vigilantes de Passo do Fundo e Região, cidade a 297 km de Porto Alegre (RS). A Chapa 1, liderada por Rodolfo Baita, foi a primeira a registar candidatura e tem como lema “Na Luta por um sindicato muito mais próximo do trabalhador”.

Para Baita, uma das prioridades da chapa é a realização de uma revisão nos artigos do estatuto do sindicato, e a luta será para reaproximar o trabalhador do sindicato.

“Uma das nossas propostas é rever os artigos do estatuto. Queremos um sindicato mais transparente e vamos lutar por uma entidade muito mais próxima do trabalhador. A queixa sempre foi a falta de transparência e de informação. Por isso, queremos fazer um trabalho diferenciado, onde não vamos priorizar a figura do presidente, mas sim o conjunto, sempre participando e buscando que a categoria volte a acreditar no sindicato”, explicou Baita, que acredita em uma volta por cima da entidade.

Ainda segundo o candidato, na formação da Chapa 1 foram escolhidas pessoas qualificadas para assumir as respectivas secretarias.

“Buscamos um pessoal mais qualificado, por exemplo, nosso tesoureiro tem formação em contabilidade, e na parte de assuntos jurídicos temos um estudante de Direito”, complementou.

“Não somos inimigos das empresas, mas vamos buscar junto a elas as melhores condições de trabalho para o vigilante. Queremos fazer um trabalho muito mais próximo dos trabalhadores”, esclareceu.

A pluridariedade política também é uma das bandeiras que os membros da Chapa 1 levantam e defendem. “A gente quer, quanto categoria, receber toda ajuda que vier, sem distinção de partido e desde que seja bom para a categoria”, completou.

Ao lado da Seccional Rio Grande do Sul da CSB, a Chapa 1, se eleita, buscará apoio da Central no suporte jurídico, principalmente a respeito da reforma trabalhista, em vigor deste novembro de 2017.

“O que a gente precisa é de informações quanto ao impacto da nova legislação trabalhista. Precisamos de pessoas com conhecimento, que venham falar conosco para que a gente consiga saber de que forma vamos buscar o que perdemos por causa desta reforma. Direitos como os 10 minutos de uniforme e a hora-extra depois das cinco horas da manhã, que eram dados antes da reforma. As empresas estão usando disso e a categoria não tem ciência do que perdeu e de como buscar essas perdas. Esperamos crescer com a categoria em conhecimento e, assim, trabalhar pelo reconhecimento da categoria, salarial e também diante da sociedade”, finalizou Boita.

Compartilhe:

Leia mais
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores