O Brasil precisa se livrar da dependência estrangeira, defende Ciro Gomes

Declaração foi dada pelo ex-ministro no Congresso Estadual do RS; a industrialização nacional e a presença do Estado no desenvolvimento são papéis cruciais para o futuro do País

A presença do Estado na economia e a capacidade do Brasil em criar um planejamento de industrialização nacional forte, capaz de suprir as necessidades do País e gerar excedentes que o permita criar um modelo exportador eficiente estiveram em pauta na cerimônia de abertura do Congresso Estadual do Rio Grande do Sul, realizada em Gramado, na noite desta terça-feira (17). Enfático em seu discurso de defesa de um projeto nacional de desenvolvimento, o ex-ministro Ciro Gomes deixou claro: “O Brasil tem que resolver a sua dependência estrutural do estrangeiro”.

Para o ex-governador do Ceará, que palestrou para mais de cem congressistas presentes em Gramado, “não há país com a potência estrutural do Brasil”. Ao apresentar um cenário histórico de estagnação da indústria brasileira, Ciro Gomes aponta três obstáculos para o crescimento do País: o desequilíbrio pelas altas taxas de juros, que atingem as empresas e a população; a dívida dos estados com a União, que chegou gravemente ao Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais, e em 2018 se expandirá para 23 dos 27 estados; e a dependência estrutural do capital estrangeiro, por meio da necessidade de importação de produtos básicos.

Antonio Neto, presidente da CSB, trouxe à tona, durante sua intervenção, um assunto evidenciado por Ciro Gomes, o enfrentamento à farra dos juros. “As Casas Bahia, o Pão de Açúcar, não são atividades comerciais, e sim agentes financeiros com juros de 400%, 500% ao ano. Essa Central tem o papel de formar os dirigentes para enfrentar esse momento. Estamos preparando uma estratégia para enfrentar os juros, para tabelar. A proposta de um governo nacional desenvolvimentista precisa aparecer”, enfatizou Neto.

O processo de geração de dívida foi lembrado pelo vice-presidente da CSB, João Alberto Fernandes, ao apresentar o catastrófico cenário de endividamento do Rio Grande do Sul. “O povo gaúcho trabalha para dar dinheiro aos bancos e aos rentistas. Estamos vivendo uma situação seríssima, com salários atrasados. O Rio Grande já pagou R$ 23 bilhões e ainda deve mais de R$ 50 bilhões em dívida”, criticou o coordenador regional da Central.

Ciro Gomes reforçou este panorama ao condenar o sistema da dívida no País. “O Brasil colapsou as finanças públicas com esses juros loucos que inviabilizaram a arrecadação, com 48,2% do orçamento da União para rolar os juros da dívida”, apontou o ex-governador do Ceará ao explicar também a relação de compra do brasileiro com a cotação do dólar. “Não compramos dólar, mas compramos pão, que é produzido com trigo, que o Brasil não produz o suficiente e precisa comprar em dólar. A mesma lógica vale para o consumo de diesel e remédios, por exemplo”, explica.

Uma saída, aponta o político, está no planejamento para o desenvolvimento sustentável. Como exemplo, cita a produção de um avião de caça pela Embraer, mostrando que “com programa governamental, o Brasil tem desempenho para a produção própria”. Por isso, o ex-ministro diz que se recusa a ver o País dividido. “Não cabe na sua estrutura e desenvolvimento”, afirma. Nesse contexto, Ciro Gomes coloca o papel de lideranças sindicais representativas e atuantes. “Precisamos pensar, e o momento não será lá na frente, durante a campanha, em que todos fixam bem no vídeo. É agora”, alerta.

Enfrentamentos

Sobre a reforma trabalhista, o presidente da CSB retomou a ênfase na necessidade de ação do movimento sindical como protagonista dos embates. “Precisamos convencer a classe operária de que o momento é muito sério. Temos grandes condições de enfrentar a reforma trabalhista. No açodamento da reforma, cometeram tantos crimes, fizeram coisas inconstitucionais, que é uma questão de tempo. Quando a cortina de fumaça acabar, vamos mostrar que a reforma só serve aos interesses do capital”, ratificou Antonio Neto, que teve o apoio de Eliane Gerber, 1ª secretária da Mulher Trabalhadora.

Segundo a dirigente, o momento é de formação e organização para empreender as bandeiras da CSB. “Cada um de nós tem uma importância sem fim. Tenho certeza de que essa alegria e esse orgulho tomarão conta de todos”, disse.

A cerimônia de abertura do Congresso do RS foi acompanhada por mais de 33 mil internautas pelo Facebook e pode ser assistida neste link.

Importância regional

O evento contou com a presença do prefeito de Gramado, João Alfredo de Castilhos Bertolucci, que parabenizou a Entidade pela realização do Congresso. A Justiça do Trabalho se fez presente na figura dos desembargadores Tania Reckziegel e Marcelo Dambroso, do TRT da 4ª Região, e da conselheira da OAB Tania Antunes. Vereadores e secretários municipais de Gramado, além do secretário-geral da CSB, Alvaro Egea, e Cosme Nogueira, secretário de Formação Sindical, também marcaram presença no Congresso Estadual do Rio Grande do Sul, que continua nesta quarta-feira (18), com palestras de capacitação dos dirigentes. Acompanhe aqui.

Veja a galeria de fotos

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"