Completa_Horizontal-01

Ampliar a organização para enfrentar os criminosos que rasgaram os direitos trabalhistas

A decisão do Senado Federal de chancelar a criminosa reforma trabalhista aprovada na Câmara dos Deputados, sob coordenação do governo federal, aumenta a responsabilidade do movimento sindical e dos trabalhadores de ampliar a mobilização para reverter o quadro danoso que ocorrerá com a aplicação das mudanças.

A luta contra a elite retrógrada, que pretende aumentar os seus lucros através da exploração e do empobrecimento dos trabalhadores não chegou ao fim, apenas está começando. Nossas principais tarefas, no curto e médio prazo, estão na realização de atos e manifestações, na conscientização ainda maior de nossas bases sobre seus efeitos deletérios e na articulação dos setores progressistas do Parlamento para derrubar pontos deste retrocesso.

Na prática, o desmonte da CLT acaba com direitos históricos consolidados e garantidos pela nossa Carta Magna ao excluir das mãos de muitos trabalhadores o direito de ter a carteira assinada, de receber o 13º salário e fundo de garantia, além de eliminar o caráter coletivo da negociação dos direitos, enfraquecendo a representação da classe trabalhadora, que ficará refém dos interesses dos maus empresários ao estabelecer uma relação individual entre patrão e empregado.

Além de todos estes crimes, após a aprovação da reforma, ficou exposta a manobra engendrada pelo governo e por setores do Congresso para impedir que a proposta fosse alterada pelo Senado e, consequentemente, retornasse à Câmara. Tal artimanha propunha o veto a trechos críticos do projeto e a edição de uma Medida Provisória para tratar destes pontos. Entretanto, esse compromisso se mostra falso com as recentes declarações dos presidentes das duas Casas Legislativas, que se mostraram contrários a debater e votar a MP.

Diante desta afronta aos direitos do povo, a CSB segue alerta e conclama a todos os brasileiros a se manterem firmes contra a reforma. A aprovação do projeto em nada deve esmorecer a luta para que os direitos trabalhistas permaneçam preservados. Juntos, reagiremos a toda e qualquer investida de quem quer que seja contra as conquistas.

Certamente, o povo brasileiro dará uma resposta justa a quem participou deste crime. Para muitos, o caminho mais próximo para o cumprimento da pena está na perda do foro privilegiado.

Vamos à luta.

Central dos Sindicatos Brasileiros

Compartilhe:

Leia mais
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores
Sindpd=SP ganha premio no Sindimais
Projeto do Sindpd-SP vence prêmio de Inovação e Transformação Digital no SindiMais
protesto colete feminino vigilantes niteroi
Vigilantes de Niterói iniciam campanha por coletes apropiados para mulheres
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: novas tecnologias podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do PR na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT