centrais-brasileiras-recebem-sindicatos-da-china-400x255-1

Centrais sindicais brasileiras e federação de sindicatos da China reúnem-se em SP

As centrais sindicais brasileiras promoveram um evento de intercâmbio sindical com uma delegação da Federação Nacional dos Sindicatos da China (ACFTU), maior federação sindical do mundo. O encontro, realizado em São Paulo nesta segunda-feira (15), foi organizado pela CSB, CUT, CTB, Força Sindical, NCST e UGT e teve como tema o fortalecimento da luta, da amizade e da solidariedade dos trabalhadores e dos povos de Brasil e China.

Dentre os tópicos abordados, destacaram-se o enfrentamento da crise climática global, que tem gerado efeitos catastróficos para os trabalhadores e as trabalhadoras, a regulamentação do trabalho por aplicativos e um processo de formação contínua entre dirigentes sindicais brasileiros e chineses.

Primeiro-secretário da ACFTU, Xu Liuping fez a abertura do evento e comentou sobre a revolução tecnológica a qual a China passou nos últimos anos. “Temos a modernização da nossa indústria como diretriz do nosso projeto de desenvolvimento nacional”, afirmou.

Aproximação Brasil x China

O dirigente sindical chinês lembrou que o país asiático está cada vez mais aberto para parcerias com países estrangeiros, como o Brasil, frisando a importância de acordos comerciais bilaterais entre os dois países.

Atualmente, o Brasil vive um novo ciclo de investimentos da China em setores estratégicos da economia nacional, como no setor elétrico, na indústria têxtil e no agronegócio. Em 2024, completam-se 50 anos das relações entre Brasil e China no âmbito diplomático e comercial. Projetos de desenvolvimento sustentável e a chamada “Indústria verde” estão entre as prioridades do país asiático.

Veja também: Centrais têm reunião com ministros sobre próximas ações conjuntas e pauta no Congresso

O dirigente da ACFTU mencionou a presença do presidente Lula na última semana na inauguração de uma nova planta de processamento de carne bovina para exportação de carne para a China. Em março, a China habilitou 38 novos frigoríficos para receber carne importada do Brasil. O total de plantas brasileiras habilitadas para operar no parceiro da Ásia passou de 107 para 145.

Segundo o Palácio do Planalto, somadas, essas unidades vão gerar um incremento de R$ 10 bilhões na balança comercial brasileira ao longo dos próximos 12 meses.

“Uma pequena ação (parceria com frigoríficos) dentro da integração entre Brasil e China, mas para quem está lá, naquelas cidades, no interior do Brasil, trabalhando naquela empresa, sabendo que o seu empregador conseguiu um novo mercado, aquilo representa melhor salário, melhor condição de vida, representa desenvolvimento social local. São pequenas ações que transformam a classe trabalhadora, que fica mais unida e acreditando nos frutos que essa parceira Brasil-China pode trazer”, apontou Aelson Guaita, secretário de Relações Internacionais da CSB.

Prosperidade comum a todos os povos

Xu Liuping disse que o desenvolvimento precisa gerar prosperidade comum a todos os povos e defendeu a criação de uma comunidade internacional “onde todos os povos tenham voz”. Ele explicou que, tal como o Brasil, a China também está atenta às transformações nas relações de trabalho e que o seu país está debruçado sobre a questão dos trabalhadores de plataformas de aplicativos. Por lá, o aumento da brigadas de inspeção para fiscalizar as empresas mais de perto é uma das medidas que estão sendo implantadas.

O presidente da CSB, Antonio Neto, ressaltou a importância de uma parceria do Brasil com a China em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I). “A parceria com a China em ciência, tecnologia e inovação é crucial para modernizar o Brasil e fortalecer a nossa capacidade de inserção cada maior na dinâmica do mundo. O Brasil olha para o continente asiático a partir de uma perspectiva estratégica e de longo prazo”, disse.

Neto também defendeu a criação de um Grupo de Trabalho (GT), coordenados pelas embaixadas e os movimentos sindicais, para acompanhar a relação Brasil-China nas relações comerciais e nos investimentos “para que juntos, possamos crescer cada vez mais”.

Além dos presidentes das centrais sindicais, a delegação chinesa no encontro foi formada por:

– ZHANG Liang – Secretário do Comite do Partido do Sindicato, Vice-Presidente do Sindicato Municipal de Sindicatos de Pequim – ACFTU
– LV Guoquan Diretor do Escritório Geral da ACFTU
– MA Jin Diretor do Departamento Internacional da ACFTL
– FENG Yongguang Vice-Chefe da Divisão de Políticas do Escritório de Pesquisa da ACFTU
– ZHANG Mengmeng Vice-Chefe da Divisão das Américas do Departamento Internacional da CFTU
– JIA CHEN, Diplomata, Embaixada da China no Brasil

Sobre a ACFTU

A ACFTU é a maior federação sindical do mundo, com 302 milhões de membros em 1.713.000 organizações sindicais primárias. A ACFTU está dividida em 31 federações regionais e dez sindicatos industriais nacionais.

Fotos: Imprensa CSB

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra